Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


SOU MAIS VELHO QUE A LIBERDADE

Quarta-feira, 25.04.18

IMG2499EasyResizecom.jpg

 

 

 

Incrível, dei-me conta que sou mais velho que a Liberdade.

Também me dei conta que a liberdade é uma maluca, como diz o Palma.

Ela é livre e eu tenho-a vivido.

Tenho tido imensa sorte, na vida.

Nasci no mágico ano de 69, aquele que fechou a década que mudou o pensamento do mundo, como até então.

Assisti à queda do muro de Berlim, vi o Lopes ganhar o ouro, assisti ao nascer do telemóvel, ao aparecimento da internet, vi a selecção campeã da Europa, e estive dentro de uma revolução.

Se só isto não é suficiente!

Incrível, como me lembro melhor desses cinco anos do que do resto da minha vida, são tantas e tantas coisas que, tantas vezes, com raiva de mim, não me recordo delas.

Mas, os meus primeiros cinco anos foram guardados dentro de mim, lá no fundo, é de lá que eu venho.

Tinha quase cinco anos, há quarenta e quatro.

Assisti a tanta coisa, mas nenhuma se compara com esse dia.

Raiva de mim. Ainda agora, que não me sai a próxima frase, presa cá atrás, no início de tudo.

Quando cheguei à cozinha, para o pequeno almoço, antes de descer a rua, para ir para a Escola do Bacalhau, a minha mãe e o meu pai estavam à varanda.

Ele tinha chegado há pouco tempo da guerra, um pós-adolescente cheio de pinta, ela era uma miúda bonita, por dentro e por fora.

Ele pegou-me ao colo, com cuidado, poucas vezes via aquele sorriso no meu pai.

Olhámos, os três, num único movimento, na mesma direcção.

A minha janela dava para a auto-estrada, ainda existe a minha janela, mas já não é mais minha.

Um quarto andar, que fica ao nível da auto-estrada. Para lá vê-se a cidade, depois o rio, depois a planície da Grande Lezíria.

Perde-se o horizonte.

Ganha-se a esperança.

Não me recordo quantos eram, lembro-me que eram muitos.

Chaimites, jipes, militares, metralhadoras.

Não senti medo.

Até aquela idade tinha visto poucos, ou quase nenhuns filmes sobre guerra, não havia filmes desses.

Aquilo, para mim era tudo novo.

Eu só conhecia o Tarzan, o Bonanza e o mais perto que conhecia de violência na televisão era a série dos Vingadores. Aquilo não me meteu medo, curiosidade, perceber como é que ia brincar àquilo, quando saísse da escola, onde é que ia arranjar aqueles bonés...

Eu nunca tinha visto coisas daquelas.

O mais próximo que vi daquilo, até aquela idade, tinha sido os guardas republicanos que espancavam pessoas, na rua, que prendiam pessoas por tudo e por nada. Andavam a cavalo. Metiam medo.

Aquela coluna militar, não.

Lembro-me do “Manel Jardineiro”.

O Manel era bufo. Era ele quem cuidava do jardim municipal, aquele onde eu corro todos os dias, quarenta e quatro anos depois. No jardim cruzavam-se muitas pessoas, sabia-se, ali, muitas coisas, às vezes eram as mães, ou até as avós que deixavam escapar qualquer coisa, distraídas na conversa, enquanto olhavam pelos meninos.

O filho do Manel andava connosco na escola primária.

Sempre o tratei bem, muito bem, até.

Não entendia porque é que, de tempos a tempos, alguém dava uma carga de porrada ao Manel Jardineiro, e logo depois vinham os cavalos, e os guardas republicanos e fechávamo-nos todos em casa.

Tinha pena e não percebia porque é que batiam no pai dele vezes de mais.

Lembro-me da Ana Varina, amiga da minha avó, também ela bufa do regime, numa terra de comunistas. A Ana era varina, daquelas que carregavam sempre o ouro ao peito, uma vendedora de peixe, de sucesso, com ligações ao regime.

Foi por causa dessa amizade entre a minha avó e a Ana Varina que o meu pai se safou ao teatro de guerra, ele fez o “Ultramar” em zonas mais tranquilas. Isso e outras coisas.

No dia em que Ana Varina apresentou a minha avó ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, em casa dele, ao pé do antigo quartel de bombeiros, lembro-me de ficar sentado num cadeirão confortável, olhando a televisão, a preto e branco, sem som.

Os três tomavam chá, numa mesa comprida. Ele, impecavelmente vestido, Ana Varina carregada de ouro e a minha avó, toda de negro.

No dia seguinte a minha avó foi à loja da Singer comprar uma televisão, para o nosso quarto.

Foi a segunda pessoa a ter televisão, na vila, a seguir ao ministro.

Eu vivi com a minha avó, até ela morrer.

Vivíamos num quarto, na rua em frente à rua onde a minha avó vendia cestos, na sua loja humilde.

Só depois fui viver para o quarto andar, de onde vi a revolução a passar por mim, a acenar e a sorrir.

Só agora percebo que sou mais velho que a revolução.

Só agora percebo que não sou mais feliz, assim. Sou feliz. Ponto. 

Naquele tempo não sabia o que era o conceito de felicidade.

Para mim, era amor.

Foi por causa da televisão que a minha avó me ofereceu, e por causa da janela da minha casa, naquele quarto andar virado para a liberdade, que durante toda a vida brinquei a muita coisa, andei de carrinhos de rolamentos, joguei com bolas de trapos, brinquei ao Tarzan - eu era sempre o “rapaz”, nas brincadeiras - brinquei aos touros, brinquei aos cowboys, brinquei às escondidas e ao alerta, brinquei a tudo.

Só nunca brinquei às guerras, por causa daquele dia.

Mas, o que eu adorava mesmo era sentar-me na bicicleta que a minha avó me ofereceu.

A primeira que tive, comprada uma semana depois de me ter comprado aquela enorme televisão, onde via os filmes de domingo à tarde e ouvia o hino nacional, no fim da emissão.

Sentava-me de costas para o guiador, e ficava ali, na rua do Chave D´Ouro, a ver quem passava.

Foi também por lá que passou a Liberdade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 20:09

JÁ ESTÁ A DAR A GUERRA DOS TRONOS

Terça-feira, 26.04.16

CA00CFBA-E58F-480F-B7A2-A615A7CFD72B.JPG

 

Ainda estamos em liberdade.

Faltam oito minutos para o dia depois da revolução.

Os capitães já recolheram aos quartéis, por esta altura.

Nas redes sociais não morreu mais nenhum famoso.

A nova saga da Guerra dos Tronos assumiu o posto de comando, por volta das dez da noite.

Mas, ainda estamos em liberdade, pelo menos nos próximos cinco minutos.

E, se há coisa com a qual sou intransigente é com a liberdade, pese embora nos últimos anos ter sido obrigado a fazer algumas concessões, uma ou outra.

Mas, como diz a senhora dos programas, isso agora não interessa nada.

Ou talvez interesse, porque acabámos - estamos a minuto e meio - de celebrar a liberdade.

Os que por ela lutaram

Todos os que dela fazem uso.

Os que a defendem, enquanto tal.

Os que nem por isso.

Cliché, dizer que a liberdade até permite que a mal tratem, mal digam, um pouco como a democracia, que são coisas diferentes.

Não partilho desse ponto de vista.

Obrigo-me a aceitar quem não quer esta liberdade, apesar de ser a única que viveu, mas não aceito leviandades de tamanho calibre.

A liberdade permite-me isso; apontar aos que não a querem e, para algum espanto, não são em número tão reduzido como isso.

Não partilho este ponto de vista, porque apesar de ter vivido praticamente cinco anos em ditadura, tinha quase cinco anos (sempre fui muito precoce), é desse tempo que tenho memórias mais frescas.

Se fosse do Entroncamento era um fenómeno.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 00:02

O APARTAMENTO NÚMERO SEIS

Terça-feira, 07.04.15

IMG_4387.JPG

 

Correr é o maior acto de liberdade que existe.

Para mim é.

É uma frase feita e uma ideia pré-concebida.

Eu gosto de dar novos sentidos a frases com um só sentido. Eu gosto de correr em vários sentidos, gosto de contornar as ideias pré-concebidas.

É, de facto, o maior acto de liberdade que tenho em mim.

Sou eu, comigo, o tempo que aguentar, que o tempo é um ditador.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 14:38

CHARLIE ON THE RUN

Segunda-feira, 06.04.15

CHAMINE.JPG

 

Liberdade?

De expressão?

De opinião?

Dos charlies de descartáveis?

Da corrida?
A corrida é um acto de liberdade, já que outros actos, livres,  são apagados com uma fita adesiva, na boca, com uma venda nos olhos, por aqueles que defendem a liberdade não sabendo, na verdade, o que é que ela significa.

Liberdade.
Eu estive no sítio onde a nossa liberdade começou. Dormi enrolado nela, corri a seu lado, jantei com ela, conversámos sobre tudo, em liberdade.
Exactamente no sítio onde começou a minha e a vossa liberdade.

Eu, que a trato na palma das mãos, como ela deve ser tratada.
Se ela existe?
Eu acho que não mas, acho que há momentos em que somos livres, de verdade.
Como este fim de semana que passou.

Entrei em Abril em Liberdade!

Corri em Liberdade, com caixa alta.
Mais logo, aqui, no blog do gato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 17:26





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031








comentários recentes

  • The Cat Runner

    Viver em ansiedade é mau. Retira-me a vontade. Hoj...

  • Ana

    Também soube desse desaparecimento e tenho andado ...

  • The Cat Runner

    O melhor foi nos dias seguintes, mas isso só logo...

  • Ana

    Boa. Fantástico.

  • The Cat Runner

    Se não saiu deve esra a sair :)

  • Ana

    Vá lá... Queremos saber.

  • The Cat Runner

    Boa noite,fico sem palavras depois de ler o seu c...

  • Anónimo

    O ano passado tive o prazer de participar na Corri...

  • The Cat Runner

    É assim, a vida. Obrigado, pelo seu comentário. Bo...

  • Alfredo Simões

    Às vezes a vida não é fácil e a apreciação dos nos...


Posts mais comentados