Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

carlossamoraEasyResizecom.jpg

 

São vinte quilómetros, senhoras e senhores.

Parece fácil mas é uma carga de trabalhos.

Escrever um quilómetro não é uma tarefa simples, quanto mais vinte, quanto mais quarenta e dois e mais uns pózinhos, só que a vida não é, ela própria fácil.

Falemos, a partir daqui, de superação, essa palavra tantas vezes dita, que tanta gente guia, por essa vida fora.

É disso que se trata.

Trata-se de tomadas de decisão. É isso que fazemos dia-após-dia, tomamos as decisões que entendemos serem as melhores, para nós, para aqueles que amamos, para os outros.

Mas, é o “eu” que deve sobrepor-se ao que nos rodeia. Sobrepor-se sem anular o que nos rodeia, valorizando, mais e mais.

Não há outra forma de correr esta estrada, quando o desafio nos chega e nos enfrenta.

Não somos nós, embora queiramos pensar que sim, que o enfrentamos, nunca assim foi.

Somos nós que queremos transformar as nossas dúvidas em certezas, somos nós que queremos que os nossos sonhos e desejos sejam reais.

O que nos rodeia ajuda ou dificulta, por isso também deve ser valorizado.

Vale a pena acordar, sair da cama, lavar a cara, sorrir ao espelho, para nós próprios.

Agir, em vez de ficarmos a sonhar na esperança que os pesadelos passem quando abrimos os olhos.

Quando agimos, persistentes, corajosos, os desejos realizam-se.

E, por vezes, é esse o momento em que percebemos que, afinal, não estamos sós.

Sem medo, sem medo do que está para chegar, porque a coragem está do nosso lado.

Uma maratona só se corre com coragem, tenha ela a distância que tiver, porque só vivemos uma vida.

Quando decidi ir correr a maratona, nas ruas de Berlim, um dos meus objectivos passava por criar em mim uma motivação especial, para sair do marasmo a que os meus dias me tinham condenado.

Acordar dos sonhos, matar os pesadelos.

Corri atrás daquilo que queria, embora tenha escolhido o mais dos exigentes testes, havia outros, mas era a maratona que eu queria, pela dureza que ele representa, pelas marcas que deixou em mim.

Ou morro ou mato-me, como diria o outro.

Ou vivo, ou viverei, como digo eu.

Eu. Ponto.

Este texto soa a um exercício de narcisismo, mas está muito longe disso.

Pelo contrário.

Ele fala de mim, porque sou eu que o escrevo, sou eu quem o corre, dureza, dificuldade, ousadia, coragem, porque não basta desejar, é preciso merecer, fazer por merecer, seguir em frente.

Viver é como correr, é estar em constante movimento, respirar sem parar, é ter um plano, um trajecto e tentar não nos desviemos da rota, a não ser que tenhamos que a corrigir, não para encurtar o caminho, mas para o tornar mais acessível, porque o fim é lá à frente.

Começar pelas pequenas coisas, um dia de cada vez, para ganhar confiança, a nossa e a dos outros e sermos mais merecedores daquilo que temos, daquilo a que queremos.

Eu não tenho muitos amigos, tenho muitas pessoas que conheço, a maioria, fruto da minha (pouca, felizmente) exposição pública, à qual tento fugir cada vez mais e mais, sempre a correr.

Os meus amigos eu sei perfeitamente quem são e, por vezes, erro, correndo até alguns riscos, na avaliação que faço deles.

O Carlos Samora é um desses meus amigos.

É uma espécie de irmão mais velho, que nunca tive, sempre pronto para mim, para tudo, já lá vão quase vinte e cinco anos.

Ainda ontem, no Centro de Saúde, quando fui à consulta, um daqueles senhores que tem a mania que sabe tudo, daqueles chatos que temos que aturar pra não sermos indelicados (até porque, na verdade, nunca nos fizeram mal) me dizia, insistia, que o Carlos tinha ido comigo a Berlim.

"Então, a maratona, como é que correu e o Samora, também foi correr?".

“Não foi, garanto-lhe, o Carlos apenas ajudou nesta operação, a vários níveis, mas não esteve em Berlim”, tentei que compreendesse, do alto da sua certeza, encostado ao balcão das informações.

"Claro que foi, eu vi que ele esteve em Berlim", insitiu, chato, como sempre que o encontro.

"Se calhar o senhor viu foi fotografias com a camisola do restaurante do Carlos, só pode ser isso".

IMG_20181030_204620.jpg

 

“Esteve em Berli, então eu não sei, o não sei das quantas disse-me que esteve, que o viu lá”, carregou na sua certeza.

“Se o senhor diz que esteve, então esteve, mas não foi comigo”.

Entretanto, a voz do doutro Manuel chamam-me no intercomunicador do centro de Saúde.

Salvo pelo gongo, que até eu, um gajo que leva com tudo e com todos, perco a paciência, sobretudo, perante pessoas extremamente fúteis, tão fúteis que se tornam irritantes, como naqueles instantes em que estás a correr e queres parar, sabendo que não podes, nem deves parar, porque ainda faltam mais vinte e dois quilómetros para o fim e entras em stress.

Iso aconteceu-me em Berlim, várias vezes durante a corrida.

Ninguém é de ferro, nem os tipos que correm maratonas, garanto.

O Carlos Samora esteve em Berlim, sim senhor, naquele domingo.

Mas, não dava para explicar ao tipo chato, ele nunca iria entender.

Naquele domingo dezenas de pessoas estiveram comigo em Berlim, durante aquelas cinco horas - vi ontem que a aplicação Strava me deu 5.02H, ao contrário das 5.11H - tempo oficial).

Eu sei que estiveram, porque as redes sociais me mostraram.

Isso não tem preço, porque ninguém se supera sempre sozinho, a não ser os fora-de-série, que também os há.

A superação é uma coisa que às vezes se consegue, não basta querer, por isso só as vezes se consegue.

Motivação, sobretudo.

As pessoas motivam-me, até aquele momento em que me desiludem e o Carlos nunca me desiludiu, talvez em já o tenha desiludido.

Dezenas de pessoas levaram-me ao colo durante todo aquele tempo e, sim, o Carlos Samora esteve comigo, no meu coração, em Berlim.

Mas, foi chegado a Portugal que, realmente, finalmente, percebi o amigo que ali tenho.

Berlim também serviu para isso, separar o trigo do joio da vida. Berlim, abençoada Berlim, serviu-me para tanta coisa, ensinou-me tanta coisa.

Foi dias depois que descobri uma fotografia, no Facebook, na qual eu estava identificado.

Essa fotografia, a que ilustra este texto, retrata uma folha de papel, com uma simples palavras que eu não vi, em Berlim mas, estranhamente, senti.

“Força Zé Quaresma, estamos contigo”.

Acrescento, até ao fim e depois também.

A meia maratona aproxima-se.

É o próximo quilómetro.

É a partir daqui, a partir de agora, que a coisa se vai pôr fina, complicada, extremamente complicada, para mim e para uns largos milhares que cortaram a meta atrás de mim, quase metade dos participantes.

Já fui visitar o Carlos, mas ainda não lhe mostrei a medalha.

Quero fazer-lhe surpresa.

Eu conheci o Carlos no dia em que andava à procura de um espaço para fazer o meu casamento, nessa altura ele já tinha a Coudelaria, um dos melhores restaurantes do mundo, em pleno coração da Lezíria, na Companhia das Lezírias, aqui ao lado da minha casa.

Nesse dia ele pagou-me um café, paga-me sempre um café, quando o visito, e ficámos amigos, para sempre.

Ainda por cima, o Carlos jogava às quintas ferias na Tapadinha, com a malta com quem eu também jogava futsal.

 

Depois, decidi ficar esperto e deixei essas coisas da bola, que só me traziam lesões e pouco mais.

Hoje, ao escrever este texto reparo que a minha amizade  com o Carlos dura quase metade da minha vida.

É por ele que corro este quilómetro, enquanto tenho forças porque, tal como disse, vem aí o resto da maratona, o que falta é igual ao que já corri e, também como eu disse, quando agimos, persistentes, corajosos os desejos realizam-se.

O Carlos Samora ( sim, é primo do Rogério Samora) ajudou-me e muito a realizar este meu desejo, este sonho, esta prova de superação, que ninguém é grande sózinho, só os génios e, sempre, como sempre, a meu lado, com a aquele sorriso fantástico, por baixo daquelas barbas sempre brancas, que me fazem lembrar o Pai Natal.

Enquanto tomava o café e comia aqueles bolos em miniatura que ele faz questão de me oferecer, realizei que esse era o momento em que percebemos que, afinal, não estamos sós.

E, como isso é tão importante, tão decisivo, tão encorajador.

Uma maratona só se corre com coragem, tenha ela a distância que tiver, e nós só vivemos uma vida.

Abracemos os nossos amigos.

Hei-de ir aí, em breve, para te mostrar a nossa medalha.

Entrámos no quilómetro vinte e um.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG2018092322043701EasyResizecom.jpg

 

Ao quilómetro cinco ia na boa.

Quero dizer, ainda ia na boa, apesar de ir meio a medo, sem saber o que havia de encontrar lá mais à frente.

Ia a desfrutar daquilo tudo, porque foi para isso que lá fui, não só mais também.

Eu fui a Berlim para provocar em mim uma profunda mudança, sobretudo, interior.

Com os pés no chão, apesar de correr com a cabeça na lua, que foi isso que me aconteceu, durante aquelas cinco horas.

Ao quilómetro cinco eu não achava que ia a correr mais rápido do que devia.

Antes disso, sim.

Levava instruções para fazer a primeira metade da maratona em duas horas e treze.

Ao quilómetro cinco ia com trinta e dois minutos, podia até ter ido mais rápido porque conseguia, são que eu tinha mais trinta e sete (37) assustadores quilómetros pela frente.

Eu sabia lá o que estava para vir!

Até ao quilómetro cinco, lembro-me de ir um tudo nada preocupado, pois íamos a correr abaixo dos seis minutos, por isso, ali para o quilómetro três, mais ou menos, que a memorai já se-me falha, que a pessoa não vai para nova, fiz-me mula e abrandei, como quem não quer a coisa.

Lembrava-me, permanentemente, do que me tinha dito o meu treinador, correr a seis quinze, seis vinte por quilómetro.

À passagem pela meia maratona (21 kms) já tinha esbardalhado o tempo todo!

Em vez de duas horas e treze gastei mais dez minutos, duas horas e vinte e três, portanto, mas isso é lá mais para a frente.

IMG_20180923_220714-01.jpeg

 

Voltando ao quilómetro cinco, lembro-me bem, - porque nessa altura o meu cérebro ainda tinha bastante oxigénio - que aquilo que mais me impressionou, para além de ter visto o Golden Angel (aquela coisa ali em cima, na foto, do lado direito, dourada) foi a multidão.

Multidão dentro da corrida, multidão a acompanhar a corrida, durante todos aqueles quilómetros.

Eu era apenas um, no meio da multidão e, meu caro(a), ser apenas um no meio da multidão é absolutamente esmagador.

Sentir que não te olham de alto a baixo, simplesmente, porque ninguém te conhece é brutalmente saboroso e isso faz-te reflectir ( a mim, não, porque há muito que reflecti nisso) naquela questão da fama.

É um veneno que todos querem tomar, deslumbrados com o efémero efeito que ele (o veneno) produz, mas não presta para nada.

Basta passar a fronteira, basta correr a maratona, em Berlim, para sentires a ressaca do veneno, lá, no momento em que ninguém te conhece e te trata de igual-para-igual.

Aquilo que mais retenho ao quilómetro cinco são as pessoas que me chamavam pelo nome (um nome que ninguém me chama), as mesmas pessoas que chamavam todos os outros pelo seu nome. Iguais entre iguais.

Naquela corrida, famoso era o nigeriano que pulverizou o recorde, mais ninguém, apesar de todos aparecerem nos ecrãs gigantes.

brandenburg-gate4.jpg

 

Saber saborear essa condição de incógnito é algo profundamente revelador.

Conseguir pensar, reflectir e entender isso é algo profundamente tocante.

Até mesmo quando dás de caras com uma banda, que toca ao vivo, ( eram imensas. ao longo do percurso) uma famosa música dos Queen.

A fama...

Nesse isntante, em que tu passas, incógnito, em que olhas as pessoas, nos olhos, em que levas os teus sentidos vivos, excitados, nesse instante em que passas, no exacto momento em que a banda toca aquela parte famosa, ela sim, famosa, a passagem da música, e cantas em voz alta, bem alta, arrastada, para todos ouvirem, sorriso rasgado, coração cheio, incógnito, porque ninguém sabe quem és:

“we are the champions…of the world”!

Entrámos no quilómetro seis.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG20180916102339EasyResizecom.jpg

( FOTOS E VÍDEOS DO REALEJO DA AUTORIA DE INÊS XXX )

 

 

Estou para aqui sentado a ouvir o god damn black old Armstrong.

Canta assim:

 

“I see trees of green, red roses too

I see them bloom for me and you

And I think to myself what a wonderful world…

 

The colors of the rainbow so pretty in the sky

Are also on the faces of people going by

I see friends shaking hands saying how do you do

They're really saying I love you…”

 

Fui buscar a letra da canção porque ela pinta às cores aquela manhã de domingo, em Berlim.

As manhãs de domingo, se reparar, são idênticas em qualquer parte do mundo.

Já estive em Seul, em Moscovo, em Londres, em Paris, em Amesterdão, em Lisboa, em Budapeste, em Oslo, em Copenhaga, em Berlim, já estivem montes de cidades e de países e sei o que digo.

As manhãs de domingo têm todas a mesma ambiência, a mesma brisa fresca, as mesmas caras e sorrisos, as mesmas flores, os mesmos cheiros, independentemente da cidade e do país.

As manhãs de domingo mostram-me sempre árvores verdes, rosas vermelhas, as cores do arco-irís, mesmo que ele não esteja lá.

Nós somos os Corredores do Arco-Íris, ou em “cámone” os Rainbow Runners, nunca se esqueça disso.

IMG_20180915_110813 (1).jpg

 

Nós chegámos ao fim do arco-íris e, como tínhamos determinado, encontrámos o pote da felicidade, que nós não procuramos ouro, apenas procuramos a felicidade.

Os amigos, o céu azul, dizer-te que te amo, a letra levou-me de novo para as ruas de Berlim, onde mais de um milhão de pessoas nos tratava como verdadeiros campeões.

Gritavam pelo nosso nome, gritavam o nome do nosso país. Foi assim durante mais de cinco horas.

Ora, escutar Louis Armstrong, enquanto escrevo, é inspirador, e assenta que nem uma luva na aquela manhã mágica de domingo.

Tem tudo a ver, senão, ouça a música enquanto lê este texto, o texto chamado "O Quilómetro Dois".

Estes textos não retratam o que se passou a cada quilómetro. Eles encerram em si, cada um deles, uma ou várias histórias que se passaram durante aqueles 42 quilómetros, mais 195 metros, por isso, se continuar a ler já não vai ao engano.

IMG-20180916-WA0003.jpg

 

Lá íamos nós, os três, passada certa, ritmo controlado, a corrida estava a ir bem. Foi para isso que treinei.

O Francisco, reparava eu, pela surra, sem que ele desse conta, olhava para o meu rosto, de tempos a tempos. Marcava o ritmo, marcou o ritmo até eu baquear, lá mais à frente. Depois o ritmo era meu, de sobrevivência. Nada diferente do que tenho feito toda a vida, viver e sobreviver, lutar, cair e vencer. Ponto. Nada de novo, portanto.

Ele queria perceber como é que estava a correr a gestão do meu próprio esforço.

Senti-o descansado, eu ia bem, fui bem durante uns bons 26 quilómetros.

Se imaginar um milhão de pessoas, mais de um milhão, a bem do rigor, todas elas espalhadas pelas ruas de uma cidade, facilmente percebe que quem correu a maratona de Berlim teve apoio do princípio ao fim, literalmente.

IMG_20180914_170103.jpg

 Até à meia maratona, sempre que gritavam os nossos nomes - Alice, Francisco, José - ou o nome de Portugal, nós agradecíamos, a sério, agradecíamos mesmo.

As primeiras horas, os primeiros quilómetros foram de uma felicidade incontável numa só página de uma crónica.

Íamos muito felizes, os três.

Aqui e ali, ao logo de toda a corrida, as bandas de música.

Brutal.

Chegámos a dançar e a cantar, juro!

Havia de tudo.

Bandas de rock, bandas étnicas, bandas clássicas, músicos solitários, também.

Um ficou-me na memória, e creio que, na memória dos mais de 43 mil que corriam em Berlim.

O tocador do realejo.

IMG_20180916_102337 (1).jpg

 

O realejo é um instrumento musical que me remete para quando eu era pequenino, para aqueles tempos inocentemente belos, como a maratona de Berlim, sim, a maratona de Berlim é bela, encerra nela uma misteriosa beleza.

Íamos felizes, dizia eu, quando de repente, aquele som mágico, do realejo, nos entrou pelo coração adentro.

“Olhem para isto, brutal, que cena tão bonita, sinto-me tão mas tão feliz”, disse eu aos meus companheiros de aventura.

 

 

 

Não me lembro da resposta deles, mas lembro-me das caras, sorriam tanto quanto aquela música mágica me fazia sorrir.

Foi nesse instante que a corrida parou, congelou, frizou.

Ficámos ali, suspensos, durante uma fracção de sonho.

“Quaresma, Quaresma…”, escutámos.

Alguém me chamava, por trás do senhor que tocava o realejo.

Ficámos incrédulos, sem saber o que nos estava a acontecer.

Durante todo o percurso, recordo, todos nos chamavam pelos nomes que levávamos nas camisolas;

Alice, Francisco e José.

 

IMG_20180916_102634.jpg

 

Quaresma…

Olhámos uns para os outros. Não parámos de correr.

Virei-me para a ver, aquela miúda misteriosa que naquele instante saía de trás do tocador do realejo.

Cabelos pretos, cara redonda, pele branca, olhos grandes.

Eu e ela, cara-a-cara, enquanto uma mancha humana continuava a correr.

No meio de milhares e milhares de pessoas, naquele berma, naquele passeio, atrás do tocador do realejo, alguém me chamou pelo meu apelido, Quaresma.

A Alice e para o Francisco perguntavam quem era aquele miúda baixinha.

“Não sei, acho que foi minha aluna, mas não sei”.

Olhei-a, de novo.

“Quaresma, vim aqui só para vos ver, eu sabia que vocês vinham, vim para te dar um abraço”.

Puta que pariu” ( assim mesmo) pensei eu, que cena é esta que me/nos está aqui a acontecer?

Não quis sequer encontrar a resposta.

Saí da estrada, subi o passeio, olhei o tocador do realejo, primeiro, a cara dela, a seguir, e dei-lhe um grande abraço. Não se importou por eu etar completamente alagado em suor, a cheirar mal.

“Obrigado, obrigado, adoro-te”,

disse-lhe, já em passo de corrida, que por aquela altura ainda me sentia corredor, com forças, feliz, à procura do pote no fim do arco-íris. Começava ali a encontrá-lo.

 

Nos metros seguintes a nossa dúvida era sobre quem era aquela miúda misteriosa.

“Quem é, Zé?”…

“Não sei, a sério, não sei, que cena mais marada…”

Já não me lembro se foi o Chico ou a Alice, mas um deles disse-me;

“Mas, ela esta a chorar…”

Voltei a olhar lá para trás, vi-a a caminhar entre as pessoas, cabeça baixa, não sei se chorava, sei que eu chorei porque, incrivelmente, fiquei preocupado, quem seria ela?

Quem é que iria até ali só para nos ver, só para nos dizer “estou aqui connvosco”?

Que bom que foi, que belo que foi.

O tocador do realejo continuava a tocar o realejo.

 

Nunca tinha vivido um momento como aquele.

Ontem à noite, em casa, enquanto viajava pelo Instagram reparei num “like” de alguém em Berlim.

Bateu-me uma coisa cá dentro.

Abri o perfil dessa pessoa.

A primeira coisa que me apareceu foi um vídeo, o vídeo do tocador do realejo.

Os corredores, em fundo, a passarem, na sua corrida, naquela manhã mágica de domingo, em Berlim, enquanto ele tocava aqueles sons que me deixaram sem qualquer reacção, como quando as pernas me falharam e a cabeça fugia dali, muitos quilómetros depois.

IMG_20180916_102638.jpg

 

Chama-se Inês.

Não revelo o nome todo, porque não sei se ela irá gostar, apenas que se chama Inês e gosta de mim, e eu dela.

Meti conversa.

Disse-lhe que aquilo que tinha acontecido, no domingo, tinha sido um flash para nós os três e perguntei-lhe de onde nos conhecíamos, se tinha sido minha aluna, por exemplo?

“Olá, sinceramente, não sei, eu acho que é capaz de ser do facebook. Penso que lhe mandei um pedido de amizade há bastante tempo. É capaz de ser dai”, respondeu-me.

“Acho que comecei a seguir o seu blog e depois mandei o pedido”, acrescentou, na resposta.

Agradeci-lhe e disse-lhe que ia escrever sobre ela no texto de hoje, “O Quilómetro Dois”.

Disse-me que estudou jornalismo, mas não tinha sido minha aluna.

Está a viver temporariamente em Berlim.

“Eu vi um grupo com as bandeiras de Portugal nas camisolas, mas não tinha reparado que estava lá.

Gritei Portugal, mas vocês não me ouviram.

IMG_20180914_093605.jpg

 

Só depois reparei que estava lá no meio”, continuou ela, a contar-me o que ali aconteceu.

“Foi aí que gritei o seu nome, depois de hesitar entre os seus três nomes :) “

A nossa troca de mensagens continuou, até hoje.

Foi ela quem me deu os vídeos e as fotos deste texto.

“Como vivo aqui em Berlim e gosto muito deste tipo de provas, achei que tinha mesmo de vos vir apoiar”.

Ainda me custa um pouco a acreditar que aquilo aconteceu de verdade.

Quando o tempo pára no tempo!

Quando isso acontece é difícil acreditar, porque ainda passou pouco tempo, desse tempo.

É difícil, mas acredito, porque sei que a Inês existe, porque agora sei quem ela é, porque trocámos mensagens, ela existe.

E, eu passei a ter mais uma pessoa na minha história.

Estou feliz porque, embora, não tenha a certeza que ela tenha chorado, naquele instante, eu chorei.

Estou feliz porque, sei que a Inês jamais vai esquecer aquela manhã de domingo, em Berlim.

Nem ela, nem eu, nunca mais.

Entrámos no quilómetro três.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O HOMEM SEM CABEÇA ( DIA 40 DA MARATONA )

por The Cat Runner, em 14.08.18

IMG20180814223009EasyResizecom.jpg

 

Aproxima-se aquele que é, provavelmente, o dia mais simbólico da minha idade adulta.

Entrámos na recta final.

Aposto que a ansiedade já se apoderou de todos os que pertencem à nossa equipa.

Isso, somos uma equipa, em nome da amizade pura e das cores do arco-íris.

Até temos um nome, somos os Rainbow Runners.

Somos mesmo e somos amigos puros, todos os onze que vão conquistar o coração de Berlim, onde há um arco-íris só nosso.

O tempo passou tão depressa e eu sinto-me cansado.

É de revolução que falo.

Auto-revolução, porque há desafios do caraças.

Ponha-se no meu lugar, nos últimos oito meses aquilo que mais tive foi dores nas pernas treino após treino. Mas eu acredito que a amizade pura faz milagres, acredito que não ficarei assustado como ontem à noite.

Saia do meu lugar, porque isto não é uma queixa, é um facto com que eu já contava.

Só o (a) convidei para se colocar no meu lugar para sentir um bocadinho, só isso.

Depois do treino longo, que devia ter acontecido no domingo - não posso falhar um treino sequer, falhei o dia, agora tenho que compensar- dei comigo a pensar:

“ acabei de treinar uma meia-maratona, mais uns pózinhos, as pernas clamam, como é que vou correr o dobro?”.

Desanimei, confesso.

No caminho para casa reflecti.

Na verdade não fiz tempos muito diferentes do habitual, na verdade as pernas continuam quentes, muito quentes, mesmo, por dentro, cá dentro, mas há dois dados novos que são importantes;

A recuperação foi muito diferente, para melhor.

A outra outra que me animou;

Não acabei cansado.

As minhas pernas sim, eu não !

Durante quase vinte e quatro quilómetros, a mais longa corrida que já fiz, percebei muito melhor o meu corpo, as diferenças, aquilo com que vou contar.

Nessa reflexão,

Estou consciente que esta carga ( que eu julgava inimaginável) há menos de oito meses, esta carga que as minhas pernas carregam há oito meses, de forma permanente, umas vezes menos, outras mais, vai ser-me extremamente útil durante as quatro horas e meia, o tempo que gostava de fazer na minha primeira ( e provavelmente a única) maratona.

Porque a ideia é que todo este desconforto que me queima os músculos esteja bem longe de Berlim, no domingo, dia 16 do mês que vem, e o meu pavor começou a dissipar-se.

Como que em um filme vejo-me leve, solto daqui a cinco semanas.

É assim,

As últimas duas semanas são tão importantes quanto todas as outras vinte e oito semanas que é o tempo que demora esta aventura.

Nessas duas últimas semanas os treinos vão ter como objectivo retirar-me toda a fadiga das pernas, mantendo a condição adquirida ao longo destes duros, austeros, desafiantes e brutais meses.

Aqui entra outra barreira que tenho vindo a derrubar - e têm sido imensas, acredite, era assim que eu imaginava esta espécie de doce penitência -, os meus dois companheiros de aventura estão de longe em melhor forma do que eu, até porque já têm várias maratonas nas pernas.

Incomoda-me obrigá-los a correr cada quilómetro em seis minutos e meio, quando qualquer um deles o corre em cinco minutos.

Eles vão com esse propósito ( não só mas também ), ajudar-me e estar a meu lado, mas incomoda-me porque esta corrida seria fantástica para eles, se não fossem ao meu ritmo.

É uma barreira que será quebrada, já quebrei outras, como correr sem dores nas pernas a mando apenas do sub-consciente, sem qualquer dor, na verdade, mas com a sensação que as tinha, às dores.

Em outras corridas mandei-os embora, para fazer a corrida ao meu ritmo.

Em Berlim não.

Em Berlim quero-os ao meu lado.

São eles as asas que me vão fazer voar, porque eu acredito que a amizade pura faz milagres.

Passei de assustado ao estado oficial de crente.

Eu creio na corrida.

Eu creio na amizade.

Os milagres só existem nas nossas cabeças, mas existem.

A não ser que não tenha cabeça.

This is crazy !

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

COISAS DA VIDA E DA CORRIDA (DIA 14 DA MARATONA)

por The Cat Runner, em 14.03.18

FBIMG1519655256751EasyResizecom.jpg

 

 

A corrida tem-me ensinado algumas coisas.

Coisas sobre ser, sobre ver, sobre a vida, até sobre a morte, que já corri, para poder gritar, sózinho, eu e o céu.

Olhe, ensinou-me, recentemente que devo comer com regularidade e sempre antes de treinar, ao contrário do que fiz durante anos.

Olhe, ensinou-me que faz sentido a teoria da cabeça;

"Corpo são em mente sã".

Quando a cabeça está ausente, o corpo perde-se, tal como a vontade.

Se és resiliente e vestes o equipamento e sais para treinar, daí até ao fim, sabes bem, será um brutal pesadelo.

Tudo te pesa, tudo te dói, tudo te irrita, tudo te impede, mas tu vais.

"Se a cabeça não estiver bem, esquece, Zé, nada funciona", disse-me o meu treinador. Confirmei.

Tenho treinado, nos últimos dias, como sempre, desde o dia em que me coloquei este desafio, com a certeza que vou cruzar a meta, em Berlim.

Mas, tem havido dias muito difíceis, que só me vieram comprovar a teoria.

Isto fez-me pensar em algumas coisas da vida.

É, a vida, um processo de transformação, resume-se quase a isso. Então olha-a de frente, José.

Ontem fiz o melhor treino, desde que esta aventura começou.

Quando sentes o cansaço, mas ele sabe bem, em vez de te prender ao chão, quando corres mais rádio, quase sem te dares conta, não fossem os registo do relógio, quando terminas, transpirado até dizer não, quando acordas no dia seguinte e sentes que estás vivo.

Corri abaixo dos seis minutos por quilómetro, sem qualquer dor, sem qualquer desconforto, gozando em pleno a corrida.

Nestes últimos dias, uma das muitas coisas da vida em que tenho pensado é na forma de ser feliz. Isso passa pela corrida, haja cabeça.

Desde Janeiro que questiono diariamente se, de facto, isto irá até ao fim.

Confesso, por vezes sinto-me tão em baixo que questiono tudo.

O que não faz uma corrida.

Ontem, depois de correr, voltei a sentir-me leve, em paz, feliz. Hoje acordei assim, a acreditar que a vida tem aquele lado sereno, embora demore, por vezes, a encontrar. Tamanhos conflitos interiores.

Quero poder dizer: sou maratonista, isso quero, mas a minha aventura já valeu a pena e mal começou.

O que não faz uma corrida, um momento mágico, um instante.

Há, depois, mais coisas da vida, como a emoção, os sentimentos, os afectos.

Tenho tido a sorte de ter encontrado, nestes dias de Inverno, pessoas que não saem do meu lado, pessoas que me empurraram para aqui, até aqui.

É também por elas que vou continuar, porque naquele sábado que tanto desejo, quando passar a linha de chegada é para estas pessoas, tão especiais na minha vida, que irei levantar os braços, olhá-las de frente, para que vejam o rosto do esforço, para que saibam que a minha amizade é eterna, incondicional.

Voltei a acreditar.

Em mim, na vida, na minha corrida.

É de maratonas que gosto.

É por isso que gosto da vida.

Lutar ou vencer.

Não há outra hipótese, apenas uma escapatória:

amar, muito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A TEMPESTADE DENTRO DE MIM ( DIA 13 DA MARATONA)

por The Cat Runner, em 04.03.18

 

domingoEasyResizecom.jpg

 

Porque há domingos assim...

 

 

Chovia a potes.

Foi de repente, de repente, assim que me despedi dos meus dois amigos começou a chover a potes. Uma daquelas chuvadas que nos empurram porta de casa dentro, para um sofá reconfortante.

Pegar ou largar !

O rio mostrava-se-me bravo, mas eu conheço-o, desde miúdo, entendo-lhe a cor escura, nem vivalma no horizonte, nem barcos a subir em direcção à ponte, nem namorados sentados nos bancos decorados pela história dos heróis da vila, grandes, nada, ninguém.

Apertei os cordões do carapuço azul, bem apertados, aconcheguei os phones nas orelhas, fiz play e fui.

Nos primeiros quilómetros vi os meus próprios passos. Só eles.

Tanta era a chuva que, não podia levantar a cabeça, apenas os meus passos. De tempos a tempos desapertava os cordões do carapuço azul e olhava de frente para o meu caminho, ninguém. Nada.

Aprendi que, afinal, não baixo a cabeça apenas para apertar os atacadores, também baixo a cabeça para ver os meus próprios passos, toc-toc-toc-toc, assim, a este ritmo.

Tenho-me obrigado a isso, a olhar os meus passos. Como se tudo estivesse prestes a recomeçar.

Já não me lembrava de como era correr à chuva. Há quem dance, há quem cante, há quem corra à chuva, eu corro à chuva.

Corro contra o vento, contra o tempo, contra aquilo, contra isto, corro, mesmo quando sinto puxar-me para trás.

Agora que corro sem dores nas pernas, finalmente, continuo a fazer tempos de corrida idênticos. A diferença está no facto de, agora, ter voltado a desfrutar do prazer de correr, o prazer de sentir as gotas de suor a cair nos olhos, misturadas com as notas da chuva, sim, consigo diferenciar, o prazer de sentir a temperatura do corpo a subir, e a cabeça a viajar, as pernas a responderem.

O prazer de correr sem ter que parar, só a porcaria do relógio parou, a aplicação também, a meio da corrida. Chateou-me, claro que chateou. Vou mudar, de relógio e de aplicação.

Vou mudar tudo, ou quase tudo, depois da maratona que vou correr, pela primeira vez.

Cada vez mais o sinto.

Tenho vivido momentos difíceis, coisas minhas mas, nos últimos dias têm-me acontecido coisas boas, pessoas. As pessoas fazem-me bem, ao sorriso.

Hoje, pela primeira vez, fui a uma corrida e não corri. Foi nesta corrida que me estreei, há quase cinco anos, sozinho, como sempre, como eu próprio. Fui lá só para dar um abraço, a dois amigos, que me estimam, que estimo, amigos feitos a correr, porque a vida é isso mesmo, uma corrida de fundo, como a maratona.

É este o meu desafio, a minha corrida, a minha experiência. Toda a vida desafiei a vida.

Estamos cara-a-cara, eu e ela, de novo, eu e ela.

A minha maratona não é só uma corrida grande, a minha maratona é a metáfora de toda a minha vida. É agora que preciso, muito, de saber se sou capaz, de saber quem sou eu, de saber como irei ser, dali em diante, porque é perder ou ganhar.

Já não há mais tempo. É o meu tempo, o meu confronto, perder ou ganhar.

Não é apenas uma maratona, é a minha maratona.

domongo2.jpg

 

Estive com estes dois amigos, depois da corrida, ele de Guimarães, ela de Arruda dos Vinhos, vieram correr à minha terra, ao meu sítio.

Foi, orgulhoso, que lhes falei do caminho onde corro, onde me reencontro, onde sinto e vivo, “é ali em frente, fantástico, não é?”, perguntei, enquanto tomávamos um café, olhando o rio, bravo, o rio.

“Estás a ver a praça de touros? O meu primeiro restaurante era logo a seguir...”.

Falei-lhes imenso de tudo, como sempre, falo imenso, ninguém é perfeito.

Metemos a conversa em dia. O Francisco vai correr a maratona, comigo, em Setembro, a Alice, provavelmente.

Falámos sobre os apoios que estamos a tentar, para suportar esta aventura, falámos da família, amigos.

Tenho tido, nestes dias de temporal, amigos que fazem questão de entrar dentro da metáfora que estou a construir.

Se escrevo este texto, hoje, devo-o à Petra, um ser humano como nunca conheci, não que me tenha feito nada, a não ser empurrar-me para a escrita, de novo, e o tanto que isso é.

Amigos.

E, se ao Francisco e à Alice devo o abraço - há um ano, exactamente, estava em Moçambique, nas aldeias do abraço - à Petra devo o sorriso, e se à Petra devo o sorriso, ao Rui devo um mundo inteiro.

Não contem a ninguém, mas eles não sabem que lhes devo tanto.

Amigos.

Assim que me despedi deles começou a chover a potes.

Foi quando comecei a correr !

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

É A VIDA, JOSÉ ! ( DIA 12 DA MARATONA )

por The Cat Runner, em 21.02.18

IMG20180211220252419EasyResizecom.jpg

 

 

As coisas estão a correr bem.

Quero dizer, algumas, que não podemos agradar à vida a cem porcento, nem ela a nós.

Coisas da vida!

Bom, neste momento sei que acordo com o meu coração a bater ali à volta das 155 batidas por minuto, todos os dias.

Há quase dois meses que tiro a pulsação, sempre que acordo, de acordo ( a repetição da palavras foi de propósito ) com o determinado pelo meu treinador. Também registo outros dados diários, que não são para aqui chamados, agora. Faz parte do plano.

Este mês fiz seis corridas. Hoje faço a sétima.

As coisas estão a correr bem.

Mas, não é para deitar foguetes, que a qualquer momento tudo pode mudar.

Coisas da vida!

As primeiras corridas, de 35 minutos, foram servindo para testar o estado das minhas pernas.

As seis corridas que faltam, para completar o mesociclo (este mês) têm o mesmo objectivo das primeiras. As próximas vão passar a ser de 45 minutos. Faz parte do plano.

Acontece que, sinto as pernas cada vez melhores.

Na última corrida, pela primeira vez, em dois anos, praticamente não senti desconforto no gémeo direito. Apenas um resquício.

A corrida foi feita em passadeira ( uma vez não faz mal ). Agora, na próxima, na rua, é o tira-teimas. Ou vai, ou racha (mais rachas não, please).

Para lá deste brutal desafio que é conjugar o treino com a regeneração das pernas, há o desafio psicológico.

Por exemplo, enquanto escrevo apareceu-me a tal sensação de desconforto.

É mental.

Estou a escrever e o meu sub-consciente está a correr, com dores e desconforto.

Só pode ser ele, visto que eu ainda estou no sofá, só vou correr ao fim do dia.

Isto pode não parecer nada, mas para um tipo que quer ir correr uma maratona, pela primeira vez, isto é imenso.

Nunca, na vida, me deixei derrotar pela mente, mas passar esta barreira está a ser mais difícil que o Harry Potter passar a parede da plataforma 9 3/4.

Hoje, finalmente, vou ao tira-teimas.

hojeEasyResizecom.jpg

 

Tenho o estômago colado e uma dispensável sensação de ansiedade.

Pode parecer nada, mas isto é imenso, para mim.

Se hoje as pernas não me doerem, de todo, estou apto a passar à fase 3 do plano de treino.

Concluir as corridas que faltam, em Fevereiro, porque aproveito sempre e coloco mais quilómetros nas pernas, e continuo a garantir que o calvário chegou ao fim.

Depois, em Março, começamos os treinos mais focados na maratona. As rampas, as séries, o ginásio, que quanto à alimentação a coisa vai indo, embora seja chato ter que comer 5 vezes por dia, e preparar tudo, e isso.

O que sinto é que estou a conquistar coisas, umas atrás das outras.

E, já que não podemos agradar à vida a cem porcento, nem ela a nós, ao menos que alguma coisa faça sentido.

Correr faz todo o sentido, para mim.

É a vida. Faz parte do plano.

Viver.

Correr.

Autoria e outros dados (tags, etc)

SEM STRESS ( DIA 11 DA MARATONA)

por The Cat Runner, em 09.02.18

IMG2018020816551401.jpeg

 

 

Hoje falhei o primeiro treino, verdade !

Na segunda feira corri pela primeira vez, em dois anos, sem dores, ao fim de cinco semanas de paragem.

Na terça descansei.

Na quarta voltei a correr, numa inquietude só desfeita no fim da corrida.

Hoje devia fazer treino de pernas, no ginásio, e baldei-me.

Mas, como isto é um caso sério pedi a opinião ao meu treinador, que de forma clara me disse que devia fazer o treino.

Só que o dia já ia longo e já não tinha tempo útil de ir ao ginásio - a pessoa tem que arrumar a casa e assim, quando a dona Cristina fica doente e não nos pode vir ajudar -, dediquei-me ao lar.

Arrumei tudo, limpei tudo, e vim escrever.

Perguntei-lhe, então, ao meu treinador se podia fazer “pernas” no sábado.

Que não, que domingo volto a ter treino de corrida e é melhor não.

Sugeri metermos este treino no plano da próxima semana.

“Sem stress”, respondeu-me.

O José Carlos Santos transmite a calma e a segurança necessárias, para acreditar que a minha ideia louca vai fazer sentido.

Salta-se o treino e não se fala mais nisso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

VOLTEI A TER PERNAS ( DIA 9 DA MARATONA )

por The Cat Runner, em 31.01.18

 

1 blog.jpeg

 

Passaram quatro semanas, desde que comecei a narrar aqui a minha aventura, que vai durar até Setembro.

Poucas coisas me correm bem na vida, mas esta correu como previsto, pelo menos tem estado a correr.

Quatro semanas depois tive “alta” das pernas.

As contracturas desapareceram todas (resta restos de uma, mas já lhe ganhei carinho), depois do tratamento-choque à base de massagens ( 7 em 4 semanas) e mudança brusca de hábitos alimentares, mais vitaminas e magnésio.

“Primeiro objectivo atingido, as tuas pernas estão prontas”, disse-me o meu treinador, depois de mais uma sessão de massagens.

“Volto a dizer que nunca vi uns gémeos como os teus, não sei como conseguias correr com tantas contracturas. Agora vamos dar mais um passo em frente”.

Foi, provavelmente, a melhor notícia que recebi este ano, que não tem sido um ano nada fácil, mas isso são outras histórias.

Comecei mal o dia, aquela cena da austeridade, o recibo de vencimento sem duodécimos e sem mais um bocado de dinheiro que tanto me custa a ganhar.

Fiquei neura, quando fico neura refugio-me, mas hoje tinha que ir fazer 40 minutos de bicicleta, porque hoje era dia de massagens e o meu treinador queria perceber como é que as pernas iam responder após três semanas sem grande esforço.

Não tinha como não ir.

Pedalei 14 quilómetros, alonguei bem, fiz-me à estrada e não, ainda não me passou a neura, só vejo as caras do Socrates, do Passos e do Costa à frente e esta vontade de lhes fazer maldades ainda me consome.

Mas, diz-me o José Carlos: “tivemos sucesso com as tuas pernas”, e isso alegrou-me.

“Sabes do que tenho saudades?”, perguntei-lhe eu, depois de desabafar com ele sobre a revolta que me invade por causa desta gente que comanda este país, gente que eu não respeito, nem que morra agora, aqui. Lamento.

2 blog.jpeg

 

O meu treinador ouviu o meu desabafo austero, e foi-me animando, à medida que os seus dedos se cravavam nos meus músculos e me ia dando as boas notícias.

“Tenho saudades, nem que seja de correr só um bocadinho”.

“Não te preocupes, para a semana vamos introduzir a corrida, no treino”.

Foi o que precisava de ouvir, para vir escrever este texto, se não aposto que ia ficar aqui, comigo próprio a chamar nomes a estes filhos de uma enorme meretriz.

O desporto faz parte da minha vida, é a ele que recorro para  aguentar toda esta porcaria, os impostos, o trabalho, a corrupção, as preocupações, esta vida cada vez mais merdosa que nos impõem.

Não corro há quatro semanas, que fique claro.

Nos dias que faltam até ao fim de semana vou continuar a fazer reforço de pernas, core e membros superiores, e até lá vou receber o “mesociclo” que  meu treinador me vai enviar e iremos falar ao telefone para acertar detalhes desta segunda fase, mas para a semana tudo vai mudar, outra vez.

A maratona é ali à frente.

Até lá é lutar, contra mim, contra os fantasmas, contra este sistema abjecto, e acreditar, acreditar em mim, sobretudo e sobreviver.

Acreditar que se eu consigo passar da noite para o dia e fazer-me à vida, porque quero correr a maratona, acreditar que estando focado me abstraio do resto, acreditar que estas elites, um dia, um dia vão meter a mão na consciência.

Eu sei, sou um utópico.

Esta gente só mete a mão nos bolsos, dos outros, sabem lá eles o que é consciência.

Agora só quero que chegue segunda feira, para voltar a correr como se não houvesse amanhã.

Por dores nas pernas já não as há.

Valha-me isso, pelo menos, porque de dores está a minha alma cheia.

Nunca estive tão farto, como agora!

Autoria e outros dados (tags, etc)

GOOD MORNING COM UM SORRISO NA CARA

por The Cat Runner, em 23.04.15

MAICKEL.png

 Eu acho que aquilo que nós (seres humanos) mais precisamos são histórias de superação.

São elas a lenha que alimentam a fogueira de cada um.

Também acho que precisamos de histórias que nos atirem por terra. Só assim conseguimos perceber que não andamos com os pés na terra, embora tenhamos essa permanente sensação.

Há dois anos o mundo chocou de frente.

Dia 15 de Abril de 2013, dez para as três da tarde, duas bombas explodem na rua Boylston, em Boston, bem próximo da meta da maratona.

Morreram três pessoas, centenas ficaram feridas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D