Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




por The Cat Runner, em 09.01.19

O QUILÓMETRO 32 - EXORCIZAR A NEGRITUDE - (DIA 89 DA MARATONA)

IMG0129EasyResizecom (1).jpg

 

 

Prazer.

Prazeres há muitos, seu palerma, diria Vasco Santana, no filme, se soubesse o que eu sei hoje.

Uma das coisas que mais gosto de fazer, mais prazer me dá é correr.

A outra é escrever.

Correr dá-me liberdade, permite-me ser apenas eu e ser feliz.

Escrever exorciza-me a negritude que, por vezes, me invade.

Dois actos, uma liturgia.

Gostava de escrever mais, mas a minha corrida, no último ano e no início deste tem tido imensas pedras no caminho, não as suficientes para construir o tal castelo.

Nem um Super-Homem é sempre o Super-Homem, basta ver quando tira a capa.

Começámos a corrida deste ano, ainda vamos no princípio e quase nada mudou, a não ser o calendário.

Não comi as doze passas, na mudança do ano, algo que já deixei de fazer há alguns anos, em primeiro lugar porque não gosto de passas comidas assim à bruta, depois porque não acredito em coisas dessas.

Gosto de sultanas com mel.

Há um ano, em vez de comer as doze passas decidi correr a maratona.

Este ano, nem isso, não decidi nada. Tudo o que me acontecer irá acontecer porque tem que acontecer. Já não tenho estômago para comer passas por imposição.

Este é o primeiro quilómetro deste novo ano. Doze meses.

Faltam dez, para acabar esta maratona, neste blog, que me é tão especial, tão meu, tão único.

Aqui, sou eu, mais do que em qualquer outro lugar.

Se há algo em mim que gosto, gostar é diferente de ter prazer, essa coisa é levar até ao fim aquilo com que me comprometo.

Foi assim em Berlim. É assim há uma carrada de tempo.

Assim será esta saga, até ao fim, já faltou mais, faltam os tais doze quilómetros para chegar aso quarenta e dois. Doze quilómetros de escrita, como quantos mesmos faltam para voltarmos a virar o calendário e a acreditar que o mundo corre ao nosso lado.

Depois, independentemente daquilo que me possa acontecer irei escrever um livro.

Sem objectivos comerciais, sem querer parecer escritor, sem querer o que quer que seja senão ser eu mesmo, como o fui e serei toda a vida.

Um livro diferente dos que já escrevi, um livro meu.

Entre os dias, este ano já corri uma meia dúzia de vezes, não destoando do habitual.

Voltei a treinar Muay Thai, um ano depois de ter parado, por causa da maratona, e por força das saudades daquela família, onde me sinto querido e acarinhado e por força dos quilos que ganhei desde Setembro.

Iniciei-me, desta forma, na gastronomia do exercício, criei um novo parto, a entremeada de desporto, Muay Thai às segundas, corrida às terças, e assim sucessivamente, dia sim, dia não. Ao fim de semana não treino. Em um desses dois dias vou namorar.

Pego na mão dela e vamos caminhar para o passeio ribeirinho, que o rio continua lindo. Depois descanso.

Acaba por ser um treino, porque caminhamos oito quilómetros, mas é mais do que isso, é um momento exclusivo. Afecto, amor.

Só que, os treinos e as corridas, não funcionam apenas para me manter activo, feliz, eles servem, sobretudo, para segurar a auto-estima, para que ela não venha por aí abaixo porque, garanto, quando ela cai é extremamente difícil voltar a vir cá a cima.

Resiliência, foi o que me ensinou Berlim.

É uma palavra feia, mas cheia de força.

Aprendi a conhecê-la no ano passado, antes, durante e depois da maratona.

A maratona de Berlim teve várias consequências. Ensinou-me outras coisas sobre mim próprio.

As boas, tem vossa excelência lido por aqui, as menos boas reservo-as, na sua maiora.

Uma delas, por incrível que pareça foi retirar-me o prazer de correr. Dessa eu não estava à espera.

Sobrecarga física e emocional. Obrigação. 

Correr uma maratona é personificar a metáfora da nossa própria vida. É mesmo.

Não é uma prova de corrida.

Para mim não é, por isso, dificilmente, irei correr outra. Vivi essa catarse, chegou-me.

Admiro que gosta de correr maratonas, pelo prazer de correr, mas admiro mesmo.

Eu não tive esse prazer, apenas luta, luta titânica, uma batalha contra mim próprio e contra os quilómetros, lentos, lentos e lentos. Foi assim que quis que fosse. 

Desistir era olhar-me ao espelho e ver um homem fraco.

Fui, fomos, até ao fim.

Mas gosto de correr e irei correr até que o corpo me obrigue a parar.

Voltando à terra,

a escrita faz-me sentir outro, não faz sentido não escrever todos os dias, só que é isso que acontece e não tem sido por falta de tempo, infelizmente. Tenho tido todo o tempo do mundo, infelizmente.

Não sei se acontece a mais gente, mas quando sinto em baixo, quando as coisas não me aparecem, nem parecem como eu quero, às vezes basta um telefonema desanimador, perco a vontade, a vontade de correr, a vontade de escrever, a vontade de fazer as coisas que mais prazer me dão.

Bicho estranho, o ser humano, não me bastava ser bicho do mato.

Ando para aqui às voltas, dia-após-dia, à procura da meta, de uma meta que não se consegue ver quando estamos no início da corrida, por fica muito longe.

À medida que vamos correndo e gastando os quilómetros a meta continua invisível, ela só começa a vislumbrar-se no último quilómetro, mas para isso é preciso lá chegar.

É preciso ter força, ter forças.

Ter pernas e pulmões, alma e coragem, paciência e uma mão apertada, agarrada à nossa.

Resiliência,

independentemente daquilo que me possa acontecer irei escrever um livro.

Vou começar hoje.

Depois vou treinar Muay Thai.

Exorcizar a negritude.

Antes disso vou correr.

Basta-me ser feliz durante essa janela de tempo.

Amanhã começa tudo outra vez.

Entrámos no quilómetro 33!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ