Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




por The Cat Runner, em 11.09.18

O QUENIANO MAIS LENTO DA LEZÍRIA ( DIA 51 DA MARATONA )

IMG20180902113402EasyResizecom.jpg

 

Pode até estar a rir-se por causa do título que escolhi.

Ria-se à vontade.

Acontece que, eu, eu que escrevo, eu não minto.

Há, sim, há semelhanças entre este seu servo e um atleta queniano, daqueles que correm à velocidade do som.

Claro que há semelhanças.

A planície, eu sei que apesar de haver montanhas sólidas e quase intransponíveis em África, a fome, a pobreza, a doença, há tantas, eu sei, mas sei que apesar dessas montanhas que me provocam raiva e desolação, também sei que é na planície que a vida se dá, a sobrevivência acontece, o sol torna ouro o fim do pote, onde acaba o arco-íris e começa a felicidade.

É nessa busca que vamos para Berlim.

Os “Corredores do Arco-Íris”.

Não vamos em busca do pote de ouro, porque acreditamos que dentro desse pote, no fim desse arco-íris há a felicidade, a mesma que os corredores quenianos mostram nos seus dentes imaculadamente brancos, enquanto correm.

Nunca, jamais, eu conseguirei correr um metro que seja aquela velocidade mas, uma coisa me une a essa gente, a planície.

Só que vive na planície sabe o que ela encerra em sim mesma.

A Lezíria ribatejana (não há outra, mas gosto de sublinhar as minhas raízes) é, provavelmente, a maior planície acima do Alentejo, onde se confundem as cores, os sobreiros, os touros e os cavalos.

Há algo de África na extensão da planície e só isso me liga aos quenianos, isso e o facto de correr, eu e eles, debaixo de um sol brutal.

Tudo o resto é ficção.

Eles correm um quilómetro em três minutos e pouco, eu demoro mais do dobro.

E, ficamos por aqui.

É nessas alturas que me sinto queniano, quando corro e o sol me queima os ombros, me seca a boca. O mesmo sol que me aconchega, reconforta.

Tenho a pele morena, queimada por esse sol.

A maior diferença entre mim e eles nem é, propriamente, a velocidade.

É o rio.

Eu tenho um rio que divide a planície da minha cidade e corro nas duas margens.

Haverá maior privilégio que correr nas duas margens de um rio?

Lamento, amigos quenianos, em Berlim - adorava que sim - até podem bater novo recorde do mundo (já se bateram dez recordes na #berlim42), mas o rio é só meu.

Como o rio corre para a foz, em mais do dobro do tempo, também eu irei chegar, ao ponto de onde parti.

Espero ver-vos por lá.

Por agora devo dizer-vos que, finalmente, fiz a minha primeira corrida, desde há nove meses, na qual desfrutei do princípio ao fim.

Há muito tempo que não acontecia.

Fora nove meses de sacrifício, pouco prazer.

Esta semana, assim estava definido, serve para relaxar.

Não é que isto bate tudo certo?!

Até já corro dez quilómetros abaixo de uma hora.

Faltam apenas dois treinos antes do grande dia.

Um treino em Portugal e o último já em Berlim.

Espero que os dois corram como este último.

O último será memorável, na cidade das cidades.

Berlim encanta-me, desde sempre, por isso a escolhi para me receber nesta aventura quase maquiavélica.

Há tanto tempo que não fechava os olhos, sem dores, sem desconforto.

Forte, suado, feliz.

Fechei os olhos e deixei-me ir.

Voltei a sentir o prazer de correr.

Em Berlim, dificilmente, os quenianos vão bater o recorde do mundo.

Eu vi um documentário com 3 dos melhores corredores do mundo, nesse documentário eles treinaram exclusivamente para fazer a maratona abaixo das duas horas.

Está para nascer esse super-homem.

Nem sequer se aproximaram das duas horas e um minuto. É, quase, humanamente impossível.

O recorde do mundo está nas duas horas e dois.

Isso, eles correm a maratona em duas horas e dois, eu corro em quatro horas e meia.

No fim eles estarão felizes.

Eu também.

Até aqui sou parecido com os corredores quenianos.

Acho que eles iam adorar conhecer a minha Lezíria.

Acho que eles iam adorar aqui correr.

Enquanto isso não acontece, espero vê-los em Berlim, no fim, nem que seja na televisão.

Porque quando eles acabarem de correr eu ainda irei a meio, se deus quiser ( se existir).

Prometo não desistir, eles nunca desistem

E, eu cumpro sempre as minhas promessas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:13



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ