Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



EU, CORREDOR, ME CONFESSO

Sexta-feira, 12.05.17

IMG20170512205553EasyResize.com.jpg

 

 

 

 

Encontrei muitos peregrinos nestas duas últimas semanas.

Quando digo muitos quero dizer muitos mesmo.

Vinham todos da Estrela do Sul, lá do lado longe, que lhes oferece a caminhada obstinada, que se-me atravessam ao caminho, de frente, fé.

Durantes as duas últimas semanas encontrei e cruzei-me com muitos peregrinos, todos os dias, enquanto corria no meu santuário espiritual, junto ao meu rio de afectos. Via-lhes no rosto, afecto, felicidade, ou quando saía da auto-estrada, para entrar no meu mundo secreto, casa, família, trilhos.

Todos os dias, nas duas últimas semanas.

As imagens que guardo são dos dias de corrida.

 

 

IMG_20170512_162906.jpg

 

Raramente tenho corrido em outro sítio, nas duas últimas semanas, que não no jardim, no passeio ribeirinho, um caminho meu e dos peregrinos como eu, não somos todos?

Um caminho que se revela ao quilómetro 120, que o marco assinala-o, à entrada do jardim, do lado esquerdo de quem se dirige ao seu santuário, que aquele é o escolhido por mim, por ora

Um caminho, dizia, que está no eixo-central da rota dos peregrinos e no caminho da minha vida, dos meus passos.

IMG_20170512_190711.jpg

 

 

 

Mas, longe dali, a uns dez quilómetros, a distância que normalmente corro, passam peregrinos a toda a hora, mesmo em frente à minha janela. Observo-os enquanto espero que o portão abra. Observo-os até chegar à ponte, depois da rotunda, depois do pastel de nata e do café quente.

Eu, levo o meu destino e a minha fé nas minhas sapatilhas, eles levam a sua fé e os seus corações dentro do seu próprio destino, em peregrinação, quilómetros, mais quilómetros, mais quilómetros...

Imagino as dores, o cansaço, as chagas, as bolhas, o inchaço, imagino, imagino também as forças, a crença e a convicção, a fé e a capacidade de se superarem, aquilo que os move, aquilo que os guia e aos seus passos, imagino os momentos que antecedem a chegada, imagino o momento, aquele momento que tudo, até ali, guiou.

António Rego é católico, cristão, é Cónego, Jornalista, baptizou os meus dois filhos, é meu amigo e meu confessor, que eu, pecador, confesso-me, raramente a ele, todos os dias a mim próprio.

Dizia:

“As pessoas não perdem o juízo quando fazem estas coisas. Não é irracional. Isto faz sentido para as pessoas. A peregrinação tem um lado emocional”, disse-o em Fátima.

A Andreia Vale, que corre, que é jornalista acrescentou: “ oiço isto e penso que é tão parecido com as provas de corrida”.

Foi exactamente isso que senti, quando me cruzei, enquanto corria, com um enorme grupo de peregrinos, cajado nas mãos, capas de chuva, amarelas, tantos, de uma só vez.

Foi exactamente isso que senti quando me deixei ir por eles adentro, em contra-corrente.

Foi exactamente isso que senti.

É exactamente isso que sinto sempre que acabo uma corrida, seja ela qual for.

Não fosse a vida uma corrida, um acto de fé.

Uma procissão de fé, a corrida, como a vida de um simples peregrino, como eu, corredor, me confesso.

 

 (Agradecimentos: Huwaei P10 Leica Watch2)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 21:13





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031








comentários recentes

  • The Cat Runner

    Viver em ansiedade é mau. Retira-me a vontade. Hoj...

  • Ana

    Também soube desse desaparecimento e tenho andado ...

  • The Cat Runner

    O melhor foi nos dias seguintes, mas isso só logo...

  • Ana

    Boa. Fantástico.

  • The Cat Runner

    Se não saiu deve esra a sair :)

  • Ana

    Vá lá... Queremos saber.

  • The Cat Runner

    Boa noite,fico sem palavras depois de ler o seu c...

  • Anónimo

    O ano passado tive o prazer de participar na Corri...

  • The Cat Runner

    É assim, a vida. Obrigado, pelo seu comentário. Bo...

  • Alfredo Simões

    Às vezes a vida não é fácil e a apreciação dos nos...