Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por The Cat Runner, em 26.03.18

CORREDOR COM COROA (DIA 15 DA MARATONA)

IMG_20180324_183540.jpg

 

 

Lancei-me a escrever, sem ter uma ideia para explorar.

Dentro da cabeça um vazio.

Dentro da medula a vontade, sem uma ideia para explorar.

Ainda não lhe falei do novo mesociclo (que isto já está quase a entrar no quarto mês de preparação), nem das primeiras rampas, não lhe falei de nada que só a mim importa. Não gosto de maçar as pessoas com coisas que nada lhes dizem.

Facto é que comecei há uma semana os treinos específicos.

Core à segunda, rampas à terça, descanso à quarta, corrida à quinta, pernas à sexta, descanso ao sábado, corrida ao domingo.

É isto, por agora.

Isto, nada lhe diz mas, se eu lhe disser que isto tem sido o meu escudo protector achará que estou em desequilíbrio mental, nada mais errado.

É, justamente, o contrário.

É uma preciosa, diria, fundamental terapia para manter o foco e a cabeça alta, de modo a respirar e seguir.

Um amigo dizia-me que tinha três níveis de vida, a privada, a social e a digital.

Aprendo com os meus amigos.

A vida privada é isso mesmo, por isso, não vem ao caso o motivo, mas nos próximos dias terei mais tempo para os meus, para mim, para olhar o sol e senti-lo no rosto, para saborear a brisa que passa, sem destino, para escrever, para ler, para treinar, tempo meu.

Há decisões que, se adiadas, podem fazer com que a nossa coroa caia no chão, e todos sabemos quanto difícil é vergarmo-nos, mesmo que seja para apanhar a coroa e voltar a colocá-la, aprumada, na cabeça.

O vime verga, mas não parte e inspira.

A analogia inspirou-me e tomei uma dessas decisões.

Vem isto a propósito do meu treino de domingo.

IMG_20180324_175223_resized_20180326_101010087.jpg

 

Desde o momento em que decidi parar e viver, almocei com a minha filha, lanchei com a minha mãe, jantei com a minha mulher e com os meus filhos e, corri, com o meu irmão. Só ainda não estive com o meu pai, mas este fim de semana não falha o almoço.

Tanto, em apenas dois dias, quase uma vida inteira, pareceu-me.

E, com os amigos.

Vê-los, revê-los, escutá-los.

O meu treino de domingo era simples, apenas 50 minutos de corrida dentro de um determinado patamar cardíaco.

O meu irmão, Ricardo, tem as pernas longas.

O João apareceu, ele tem as pernas ainda mais longas que as do meu irmão.

  • “Miúdos, não posso passar as 135BMP, pelo que ou vão os dois ou vão comigo”.

Os pernas-longas nem responderam.

  • “Vamos lá”, disse o mais velho, eu.

Começámos junto à biblioteca, provavelmente, a mais bela da Europa.

  • “Quanto é que fazem até Alhandra, vinte minutos ?”.
  • “Mais ou menos isso…”.

Da biblioteca ao cais de Alhandra são uns quatro quilómetros, sempre junto ao rio, o nosso rio.

O rio é importante nesta caminhada que é a minha vida. Nele brinquei, saltei, nadei, andei de barco, o rio é aquilo que me transporta para qualquer viagem que queria fazer para dentro de mim.

Vou muitas vezes junto ao rio, mesmo quando não vou correr.

Chegados a Alhandra, o meu irmão mais à frente, o João a meu lado - percebi a sua intenção de ajudar a manter o ritmo - eu segui um pouco mais, para fazer metade do treino, enquanto eles voltaram e pararam, para alongar, enquanto aguardavam por mim.

Enquanto corria, já de volta, contemplei o rio, pela milésima vez.

Via o Ricardo e o João lá à frente junto, à marina.

O rio.

Como que a conversar comigo.

Que não me conseguia entender, que nem eu me conseguia entender, que aquele momento em que corro liberta-me, mas não me cura.

Ele, sereno.

Que não conseguia encontrar o caminho, que não conseguia sorrir como antigamente, que aquele momento em que corro liberta-me, mas não me cura.

Ele, sereno.

Quando está sereno, o rio, transmite-me esse veludo da alma, permite-me cheirar os eucaliptos da antiga Escola da Armada, como se entrasse num túnel mágico.

Dali em diante foi por esse túnel mágico adentro que fui.

O rio, sereno, ensina-me, quando teimo em não querer perceber.

É ali, é aqui, com eles, comigo que pertenço, porto de abrigo, mais forte que o porto da antiga Escola da Armada que, por esta altura triste se limita apenas a adornar a paisagem.

A serenidade do rio, que é meu, mostrou-me, já quase no fim da pista, quase no último quilómetro, que ainda há muita corrida para correr.

Era hora de acabar a corrida de domingo.

IMG_20180324_183408_1_resized_20180326_101010307.jpg

 

Pedimos à miúda do bar da biblioteca, que contempla o rio, para nos tirar uma foto, aos três.

  • “É só clicares no meio, para focar e depois dispara várias, alguma ficará boa”, pedi-lhe.

A minha corrida de domingo foi-me especial, porque o rio ensinou-me a olhar de novo para o caminho.

Ali, mesmo, junto dos meus, que é ali mesmo que pertenço.

Ao tempo que não corria com o meu irmão

Ao tempo que não dizia ao meu irmão que o amava.

Disse-o no domingo.

No domingo de corrida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08


2 comentários

De Ana a 16.04.2018 às 21:57

Este texto escapou-me.
Li agora.
Adorei.
Muita força nesse foco.

De The Cat Runner a 17.04.2018 às 01:12

Olá, Ana.
É um cliché, mas é verdade, comentários como o seu potenciam a força que é preciso para manter o foco. Espreitei o seu blog. Gostei, e aprendi. Vou publicar mais vezes, textos mais curtos. Obrigado :) (boas corridas)

Comentar post



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ