Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ALICE É UM CÃO

Sexta-feira, 21.10.16

14800996_772621959543834_1617311400_n.jpg

 

 

 

 

Dia 20

20/10/2016

 

Coisas da corrida...

 

Alice, ai Alice, Alice, Alice.

Às vezes gostava que Alice fosse um cão.

Gostava que Alice corresse a meu lado, durante uma hora e pouco, enquanto brincávamos pelo caminho, como fazemos cá em casa.

Cá em casa eu não corro, só Alice corre quando lhe apetece, como eu, quando corro na rua, quando me apetece.

Eu começava numa passada lenta, ao fim de uns dois quilómetros acelerava um tudo nada, enquanto a ia observando, a meu lado, presa a mim pela trela.

Alice não se ia assustar com os carros, com os outros cães, com as pessoas, com os barulhos, com os repentes, do nada.

Depois parava e dava-lhe água, se ela quisesse.

Fazia-lhe umas festas e se calhar rebolava com ela no chão.

Acho que é o que lhe falta. Alice, às vezes, devia ser um cão.

Por exemplo, em vez de se barricar na cozinha, visitando o resto da casa assim como quem  não a vê a passar, ela vinha para a sala mal a porta se abrisse.

Se Alice fosse um cão vinha ter comigo quando eu a chamava.

Bom, se Alice fosse um cão eu ia ficar preocupado durante a corrida, se estava a passar bem, se tinha sede, se estava cansada.

Ainda bem que Alice não é um cão.

Corri uma hora e cinco, dez quilómetros, sozinho, como quis, como gosto, sem preocupações. Imaginei-a a correr de uma ponta à outra da cozinha. Ela já não corre tipo uma flecha, agora corre a trote, ao longe parece um tigre em minúsculas.

Parei quando quis, fiz abdominais e pranchas, voltei a correr, sem preocupações.

Mas, uma coisa ficou a arreliar-me as ideias; eu hei-de correr com Alice.

Credo, pensei logo de seguida, Alice até pode não ter medo de nada daquilo que eu disse, pode correr a meu lado e brincar comigo, pode até aceitar a trela.

Eu, seguramente, eu é que não posso correr à velocidade dela e, não acredito que, em terreno livre, nas ruas, nas estradas, na charneca e na planície que Alice me desse hipóteses em termos de velocidade.

Também é certo que ela poderá abrandar o seu ritmo e deixar-me acompanhá-la, mas não creio, é inteligente demais.

Se eu, um dia, correr com Alice, iremos correr na Lezíria, onde às vezes eu corro.

Tenho a certeza que se um qualquer touro tresmalhado sair da cerca e correr atrás de mim, que a planície é campo aberto, não terei que me atirar para o riacho, como há dois anos.

Alice irá correr em potência máxima.

Eu irei a reboque, agarrado à bendita trela.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 21:58





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031








comentários recentes

  • The Cat Runner

    Viver em ansiedade é mau. Retira-me a vontade. Hoj...

  • Ana

    Também soube desse desaparecimento e tenho andado ...

  • The Cat Runner

    O melhor foi nos dias seguintes, mas isso só logo...

  • Ana

    Boa. Fantástico.

  • The Cat Runner

    Se não saiu deve esra a sair :)

  • Ana

    Vá lá... Queremos saber.

  • The Cat Runner

    Boa noite,fico sem palavras depois de ler o seu c...

  • Anónimo

    O ano passado tive o prazer de participar na Corri...

  • The Cat Runner

    É assim, a vida. Obrigado, pelo seu comentário. Bo...

  • Alfredo Simões

    Às vezes a vida não é fácil e a apreciação dos nos...