Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




por The Cat Runner, em 21.10.16

ALICE É UM CÃO

14800996_772621959543834_1617311400_n.jpg

 

 

 

 

Dia 20

20/10/2016

 

Coisas da corrida...

 

Alice, ai Alice, Alice, Alice.

Às vezes gostava que Alice fosse um cão.

Gostava que Alice corresse a meu lado, durante uma hora e pouco, enquanto brincávamos pelo caminho, como fazemos cá em casa.

Cá em casa eu não corro, só Alice corre quando lhe apetece, como eu, quando corro na rua, quando me apetece.

Eu começava numa passada lenta, ao fim de uns dois quilómetros acelerava um tudo nada, enquanto a ia observando, a meu lado, presa a mim pela trela.

Alice não se ia assustar com os carros, com os outros cães, com as pessoas, com os barulhos, com os repentes, do nada.

Depois parava e dava-lhe água, se ela quisesse.

Fazia-lhe umas festas e se calhar rebolava com ela no chão.

Acho que é o que lhe falta. Alice, às vezes, devia ser um cão.

Por exemplo, em vez de se barricar na cozinha, visitando o resto da casa assim como quem  não a vê a passar, ela vinha para a sala mal a porta se abrisse.

Se Alice fosse um cão vinha ter comigo quando eu a chamava.

Bom, se Alice fosse um cão eu ia ficar preocupado durante a corrida, se estava a passar bem, se tinha sede, se estava cansada.

Ainda bem que Alice não é um cão.

Corri uma hora e cinco, dez quilómetros, sozinho, como quis, como gosto, sem preocupações. Imaginei-a a correr de uma ponta à outra da cozinha. Ela já não corre tipo uma flecha, agora corre a trote, ao longe parece um tigre em minúsculas.

Parei quando quis, fiz abdominais e pranchas, voltei a correr, sem preocupações.

Mas, uma coisa ficou a arreliar-me as ideias; eu hei-de correr com Alice.

Credo, pensei logo de seguida, Alice até pode não ter medo de nada daquilo que eu disse, pode correr a meu lado e brincar comigo, pode até aceitar a trela.

Eu, seguramente, eu é que não posso correr à velocidade dela e, não acredito que, em terreno livre, nas ruas, nas estradas, na charneca e na planície que Alice me desse hipóteses em termos de velocidade.

Também é certo que ela poderá abrandar o seu ritmo e deixar-me acompanhá-la, mas não creio, é inteligente demais.

Se eu, um dia, correr com Alice, iremos correr na Lezíria, onde às vezes eu corro.

Tenho a certeza que se um qualquer touro tresmalhado sair da cerca e correr atrás de mim, que a planície é campo aberto, não terei que me atirar para o riacho, como há dois anos.

Alice irá correr em potência máxima.

Eu irei a reboque, agarrado à bendita trela.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ