Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Cat Run

Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

The Cat Run

Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

13.10.16

ALICE E A AUSTERIDADE


The Cat Runner

IMG_1826_Easy-Resize.com.jpg

 

 

Dia 13

13/10/2016

 

Sobre política...

 

Há pessoas que ainda não deram conta, até mesmo aquelas pessoas que dizem: “ai” (adoro ouvir frases começadas por ai, até eu, por vezes) “eu cá não ligo nada à política, são todos iguais, farinha do mesmo saco, enfim...” (adoro ouvir frases – e ler – que acabam com enfim), dizia eu, há pessoas que ainda não deram conta que a vida é política.

Parei o parágrafo que já ia longo, e mandam as regras da escrita que, quanto menos melhor. Jobs foi aluno de Gutenberg, se me faço entender.

Retomo agora;

A vida é política, na exacta medida em que temos que planear estratégias, definir objectivos, gerir orçamentos, tomar decisões. Nessa medida, a vida é composta por actos políticos.

Até mesmo alta diplomacia, a vida é também alta diplomacia. Tudo se encaixa.

Eu explico.

Há onze anos eu e a minha mulher ganhávamos mais salário, tínhamos mais rendimento, que actualmente, onze anos depois.

Colombo descobriu não sei o quê, mas a Terra, garanto, aqui, não é redonda, é chata.

Portanto, sem qualquer tipo de aumento, ao longo de onze anos, com menos rendimento ou salário, por via de cortes (?) e de aumento de impostos, e do custo de vida, e da crise, vi os meus filhos tomarem qualquer coisa estranha, que os fez ter barba, ele, e mala de mulher, ela.

Onze anos depois, ele, quase a terminar o liceu, e ela no segundo terço do caminho.

Acresce as saídas à noite, os jantares com os amigos, a vida deles.

Contas feitas, que não se fala de dinheiro em público, onze anos depois a balança está desequilibrada, mas não devia.

Somos vítimas da situação.

Dizia, menos rendimento, muitos impostos, muitas despesas “novas”, mas cá se vai gerindo a coisa, que Colombo descobriu não sei o quê, mas eu tenho uma gata.

Tudo isto, juro, a propósito de Alice.

Pois...

Mais um a comer à mesa (na dela), como diriam nos idos de quarenta do século passado.

Ora, continuando nas contas, Alice veio somar.

Alegria, ternura, surpresa, união, carinho e, como alguém disse hoje, um gato torna uma família (ainda) mais feliz. Acho que foi a Catarina.

Mas, somar é quando uma gata quiser.

Também veio somar mais custos.

A veterinária ainda hoje disse que Alice tem...um quilo.

Em treze dias, 600 gramas em 13 dias. O olho direito ainda está diferente, mas vai melhorar, mais ainda.

Sim, aprendi com Alice que temos que pagar o veterinário.

Agora, Alice também entra na minha lista de compras.

Aponto tudo no bloco de notas do iPhone. Hoje tinha também “comida Alice”.

Eis quando, dou comigo, pasmado, incrédulo, mesmo, abismado, a olhar para o alto.

Para cima.

Depois, para baixo, percorrendo com o olhar toda uma enorme prateleira de hipermercado, dedicada a gatos.

A sério, nunca tinha visto nada assim na minha longa/média existência.

Não fixei, mas havia de tudo, ração, granulados ou lá o que era, snacks, snacks com sabor a Ocean, milhões de pacotes com milhões de diferentes comidas para gatos. Com preços, qualidade, quantidade, variedade, para todas as bolsas e gatas e gatos e tudo.

Não me dei por vencido.

Olhei para o meio daquela babilónia colorida, e uma palavra se destacou, em tons de rosa, júnior, meus amigos, júnior era a palavra-chave, aquilo que eu precisava.

Tirei uma foto, enviei à minha mulher, com a seguinte mensagem: “é isto?”.

Segundos depois: “já comprei!”.

Suspirei de alívio. (Peço milhões de desculpas pela publicidade, mas não consegui contornar, o que é chato, admito, mas paguei o mesmo.)

IMG_1822_Easy-Resize.com.jpg

 

Coloquei o pacote na prateleira (por acaso é igual ao que temos cá em casa, estou a ficar especialista na gastronomia felina), respirei fundo, peguei num pacote de snacks e enfiei-o no carrinho das compras.

Não sei o que foi aquilo;

Apeteceu-me fazer uma grande surpresa a Alice, como faço às vezes (cada vez menos, mas não devia) aos meus filhos, e trazer-lhe um pacote de snacks, para comemorar o seu primeiro quilo.

Depois consultei o talão do multibanco que, solidário comigo, vem também ele em tamanho mais pequeno, é um facto.

Mas vou fazer o quê?

Eu adoro fazer surpresas!

 

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.