Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por The Cat Runner, em 20.03.16

ACIDENTE EM PASSO DE CORRIDA

IMG_0267.JPG

 

Os gatos têm sete vidas. Hoje gastei uma delas.

Só nos lembramos que a água molha quando chove. Pena.

Deviamos lembrar-nos todos os dias, horas, minutos, segundos.

Talvez fossemos gente melhor, connosco próprios e com os outros, mas faz parte da condição humana, a água molha.

Lembro-me que era perto das oito da manhã.

Foi esta manhã. Foi há horas.

Eu gosto de trabalhar aos fins de semana, quando o mundo inteiro descansa. Trabalho muito mais, mas há muito menos caras e vozes, menos trânsito e filas, menos stress e complicações.

Perto das oito da manhã.

Passei as portagens em Alverca. Tinha terminado a subida, na auto-estrada, já seguia em estrada plana.

Pelo retrovisor reparo num BMW preto lá ao fundo. À frente ninguém.

A pancada foi de repente. Por trás.

Senti-a. Seca.

O meu carro começou a entrar em despiste, aos círculos.

Instantes reveladores. Enquanto circulávamos, literalmente, aos círculos, conseguimos fitar a cara um do outro.

Segundos.

Conseguimos perceber a preocupação de um com o outro, trocámos olhares, em círculos, debaixo de um estranho silêncio.

Sim, durante três ou quatro piões o mundo parou, fez-se um silêncio absorvente.

Vi o azul do céu, vi o Norte, de onde vinha, vi o Sul, para onde ia.

Foi durante esses segundos que nos fitámos, olhos nos olhos.

De repente os dois carros estão encostados, lado-a-lado, como que a ampararem-se.

Deslizaram uns bons duzentos metros assim, colados, como se se conhecessem há muito.

IMG_0268.JPG

 

Senti aquela coisa esquizofrénica, quando temos um acidente e o carro anda ali aos trambolhões, até que lentamente se vai quedando, para de repente ganhar força, de novo, energia e violência, de novo, e disparar, embatendo em tudo o que existe e não existe.  

Depois do silêncio agarrei-me com todas as forças ao volante, prevendo que ia bater no separador central, e a partir daí o meu carro sería um cavalo selvagem, indomável.

Agarrei o volante com toda a força do mundo.

Já tinha visto os meus filhos, já tinha pensado que não saía dali com vida, já tinha feito a tal “retrospectiva”.

Faz-se mesmo, acredite.

Por chocante que pareça, estava pronto para ali ficar, à medida que o carro se ia quedando, em direcção ao separador central. Esperava por uma pancada brutal, fatal.

Foi tudo em menos de trinta segundos.

Lembro-me de olhar para o lado, controlar a distância para o separador, em cimento, e de ter guinado o volante, de modo a bater com a traseira do carro, e ali ficar.

Porque os milagres existem consegui abrir, a custo, a minha porta.

Já tinha gasto meia vida e meio milagre, nesta altura.

Nem um carro passou, o que evitou ainda mais uma tragédia.

Um minuto depois de tudo isto ter acontecido, virado para o sentido contrário, dirigi-me a um homem vestido de preto que saía do BMW.

Vinha de calções, ténis, camisola de corrida. Percebi logo que ia para a meia-maratona de Lisboa.

Chegado junto dele, no meio da faixa de rodagem, a mesma onde o carro dele abalroou o meu, olhámo-nos nos olhos, em silêncio, demos um abraço tão grande quanto as lágrimas.

Pediu-me desculpas.

Era administrador da EDP, vinha do Porto, ia para a meia-maratona.

Calma lá!

Se ia para a meia-maratona então é porque corre, se corre é porque é boa gente.

Nem eu nem ele tínhamos declaração amigável nos carros.

Tirámos fotos aos documentos e aos seguros, trocámos número de telemóvel e cada um foi à sua vida. Em dez minutos despachámos a coisa.

Ele seguiu para a meia-maratona e eu segui para o trabalho.

Cheguei apenas 40 minutos mais tarde, mas feliz.

Tinha gasto uma vida.

Não estou certo que ainda tenha mais seis vidas para gastar, até porque a ligeira dor na cabeça – o galo está proibido de cantar – e no ombro passam mais logo, quando for correr, por isso não contam. Mas, não estou certo que as tenha.

O carro fico com um dos lados em mau-estado, mas arranja-se.

Mau mesmo foi aquilo que era previsível:

Não corri, pela primeira vez, desde que comecei a correr, a meia-maratona da ponte 25 de Abril.

Era previsível porque sabia que tinha que vir trabalhar, e sim, troco o trabalho pela corrida, de caras. Mas vim e não fui.

Há muito que estava mentalizado para o facto, aliás, a caminho do trabalho nem pensava na corrida.

Só que tive o acidente. Que raio!!

Não havia mais ninguém para me bater no carro?

Tinha que ser um administrador da empresa que patrocina a corrida, equipado a rigor, a caminho da prova?

Tudo se resolve, menos o facto de não ter ido a uma das corridas que mais gosto de ir.

Fui a todas as meias-maratonas da ponte, desde há três anos a esta parte.

Desculpo tudo, o susto, o milagre, a chapa amolgada, as dores, tudo, só não desculpo o resto.

Espero que a prova lhe tenha corrido bem, ao menos.

Daqui nada já lhe pergunto, quando ele chegar para assinar os documentos que faltam.

Ao menos que tenha feito um bom tempo.

Conclusão:

Os problemas que tinha até às oito da manhã de hoje ficaram ali, no meio da auto - estrada do Norte, a seguir a Alverca. Mais logo ainda lá devem estar, quando eu passar de regresso a casa.

Depois do acidente arrumei a felicidade no bolso, meti um sorriso, há muito desparecido, pensei nos problemas espalhados no asfalto e aprendi a lição.

Não morri porque não tinha que ser esta manhã.

Não morri porque tenho sete vidas. Uma está gasta.

O Nuno está a chegar para assinar a declaração amigável e eu tenho que me despachar, hoje ainda quero ir correr e tenho uma moto para ir ver quando sair.

É que isto de andar de carro é muito perigoso.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08


12 comentários

De Pedro Neves a 20.03.2016 às 18:49

Que bom que o acidente não passou de um (grande) susto e que pena teres perdido a prova de hoje. A atmosfera, mais uma vez, era de comissão de boas-vindas à primavera :) Para o ano, felizmente, há mais! Abraço!

De The Cat Runner a 20.03.2016 às 21:50

Viva,
Felizmente. :)
A partir de amanhã vingo-me.
Um abraço

De Nuno Mourão a 21.03.2016 às 09:05

Ainda bem Zé, ainda bem!
Que te tenha servido para relativizar as coisas.

Grande abraço

De HF a 21.03.2016 às 21:33

Zé(desculpa o abuso de tratar assim)Vim aqui para ver como tinha corrido a meia da ponte e leio isto...incrível...mas pronto continua a ser um dos que mais gosto de ler...portanto continua com o resto das vidas para enfrentar os problemas diários e inspirares quem te lê.
Abraço

De The Cat Runner a 21.03.2016 às 23:33

Não é abuso nenhuma.
As surpresas, sejam de que intensidade forem, são sempre um tune up, eu acho. :)
Cumprimentos

De Maria G. a 22.03.2016 às 09:57


O ditado popular, também diz que: “os gatos, têm sete vidas e meia.”
Portanto, pense que só foi metade de uma.

Felicidades.

De The Cat Runner a 22.03.2016 às 23:02

Obrigado, Maria.
Ainda ontem ia sendo atropelado por um carro fora de mão, numa estrada quase deserta, enquanto corria. Já começam a sobrar poucas vidas, só que desta vez não macei as pessoas com relatos. Volte sempre.

De João Serpa a 22.03.2016 às 23:13

Boa noite,
Na manhã desse mesmo dia também eu seguia, com a família, na A1 em direção a Lisboa, para participar na corrida. No topo da dita subida, apercebi-me de extensas marcas de pneus no pavimento. Logo a seguir, um indivíduo com barba, acabado de sair do carro preto que se encontrava imobilizado junto ao separador, agitava vigorosamente os braços com o intuito de fazer abrandar os veículos que ali circulavam. Olhei para o BMW e vi um homem agarrado ao volante, com um ar estarrecido! Passei ainda com alguma velocidade, abrandei e verifiquei pelo retrovisor que um homem saía do BMW pelo próprio pé. Aparentemente ambos estavam bem. Prossegui.
Compreendo perfeitamente as suas palavras e agrada-me saber que tudo não tenha passado de um grande susto! Felicidades.

De The Cat Runner a 28.03.2016 às 00:28

Viva,
sabe que estou desde o dia 22 a tentar escrever uma resposta ao seu comentário e não consigo?
Mas consigo dizer-lhe: muito obrigado.
A sua mensagem está em processamento.
Um forte abraço.
ZGQ

De Ana a 11.04.2017 às 10:57

Descobri agora o seu blog. Fiquei estarrecida com este post. Comecei a correr este ano. Ainda bem que descobri este seu blog. E este post é realmente extraordinário. Há coisas na nossa vida que são realmente inexplicáveis.

De The Cat Runner a 11.04.2017 às 12:42

Viva,
Espero, então, que continue a ler.
Muito obrigado.
:)

De Aline a 27.07.2018 às 19:47

Nossa que post surpreendente em, adorei seu post muito interessam, na verdade estou adorando navegar em seu site, pois aqui encontro vários artigos interessantes de se ler como este.
https://www.noticiasdaweb.com.br
Abraços!

Comentar post



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ