Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




por The Cat Runner, em 17.01.18

A MESA DA TORTURA ( DIA 6 DA MARATONA)

coach2 (2).jpg

 Perguntava-me há dias um amigo “como é que estava a ressaca da corrida?”.

É a primeira vez que estou sem correr, desde que comecei a correr.

Nos últimos quatro anos não houve uma semana em que não corresse.

E, quando estava mais de dois ou três dias sem correr começaçava a “hiperventilar”.

Agora, já lá vai uma semana e meia desde que me vi obrigado a parar.

Nem me lembrava, não fosse o Marco perguntar.

Nem tenho tempo para me lembrar, entre preparar as refeições que tenho que tomar, idas ao ginásio e às massagens, não dá sequer para me lembrar.

Minto. Claro que me lembro, todos os dias, quando estou a fazer remo ou bicicleta, é nesses momentos que me lembro que não corro há quase duas semanas.

O corpo nem reclama muito, e estou a fazer um milagre que é não engordar, sim eu tenho essa paranóia.

Os exercícios de fortalecimento e de core são tão brutos que me amassam o corpo todo.

Amassado, permanentemente amassado, é como me ando a sentir.

EU2.jpeg

 

 

Se não é do treino é das massagens, se não é das massagens é do treino.

Na última sessão de tortura dizia-me o meu treinador: “no pain no gain”, só que imediatamente dexei-lhe uma questão: “vai haver algum momento em que é só gain, sem pain?”.

“Claro que sim, é para isso que estamos a trabalhar”.

Mas há uma coisa que nunca imaginei em mim - as mudanças que estas coisas nos infligem são incríveis -, que é fazer planos a longo prazo.

Eu sou das coisas imediatas.

Daqui a duas semanas e meia as pernas estarão recuperadas, “os gémeos estão incrivelmente melhores, vão ficar novos”, moralizou-me o José Carlos (o meu treinador).

Depois precisamos de um mesociclo para ganhar de novo base, com o fortalecimento e com o trabalho de core que andamos a fazer bastam quatro semanas.

Só depois, daqui a quase dois meses, é que vamos começar a treinar corrida.

O segundo mesociclo (4 semanas) será feito sem grande intensidade e sem grande velocidade, meter quilómetros nas pernas.

A partir daqui é que as coisas começam a ser mais exigentes.

coach1 (1).jpg

 

 Rampas, séries, core, fortalecimento, objectivos, massagens que vão apssar a quinzenais e vamos trabalhar com o tempo e não com as distâncias.

Assim será até à Maratona.

Pelo meio vou viajar, em Maio, faço 20 anos de casado, e em Agosto vou 15 dias de férias.

Sim, já tenho o plano de treino adaptado a essas duas semi-paragens.

Portanto, caro leitor(a), só para dizer que está tudo tratado, como diria o outro, só falta o dinheiro.

O que é que me está a inquietar?

Não é a ressaca da corrida, é a Maratona.

Escolhemos Oslo, Porto ou Berlim.

Decidi-me por Berlim, sem saber que é quase impossível a inscrição, mas já há um amigo que se calhar vai abrir uma porta.

Senão Oslo, na Noruega.

Porto não em agrada, para a estreia, só proque não.

Isto é;

Consegui orientar tudo para chegar aquele objectivo que quase me cega, neste momento, tal é a vontade e a determinação.

Só não estou a conseguir orientar a Maratona que, está total e dfinitivamente decidido, será em Setembro.

Porque é que estou inquieto?

Não, não é por causa das inscrições, isso, com um ou outro contacto ultrapassa-se, estou inquieto porque até Setembro faltam 8 meses e meio.

Está a imaginar-se a preparar-se oito meses e meio para uma coisa que vai durar quatro horas e custar os olhos da cara?

Pois, nem eu estava, mas agora estou.

É que todas aquelas dores que o José Carlos me inflige, nas massagens, para além de custarem dinheiro, custam mesmo, vão ter ser compensatórias e eu não sou homem para ficar a meio do caminho.

Mas, na útlima sessão de massagens desabafei:

“Coach, sabes o que é que me preocupa mesmo? Quando começar a correr, devagar, com os gémeos já recuperados, vou ter medo que mal dê os primeiros passos voltem as dores, aquela bola que tinha no gémeo direito e que está a despaarecer, na verdade, na minha cabeça parece que continua cá”.

É esta a minha inquietação.

A dor é crónica e está a desaparecer, mas a sensação que tenho é que quando começar a correr ela vai voltar.

“Essa é a parte psicológica, estou aqui para te ajudar a ultrapassar isso”.

É por isso que amanhã volto à mesa da tortura.

E, se eu não for mais forte que isto tudo, não serei nada.

E, eu sei o que sou!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:12



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ