Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por The Cat Runner, em 19.04.18

A GRANDE CAMINHADA ( DIA 17 DA MARATONA )

IMG20171223153456EFFECTSresized20180419083512478EasyResizecom.jpg

 

 

Há quase dois meses que não dormia.

Um sono seguido.

Há um ano e meio que me deitava perto das quatro da manhã, acordava às sete e meia, para ver os meus filhos, adormecia às onze, para acordar às duas ou três da tarde.

Durante um ano e meio fui conjugando tudo, com alguma elasticidade, o sono, que não dormia, o trabalho, cada vez mais exigente, a vida familiar, que parecia quase não existir e eu próprio.

É no treino, na corrida, que encontro (ou tento) encontrar o meu próprio equilíbrio, para conseguir conjugar uma vida em contra-ciclo.

Nos últimos meses comecei a ficar impossível, criticava tudo, existia dentro de mim uma animosidade e uma ansiedade que não eram normais, tudo disfarçado pelas horas de sono.

Mentira.

Sentia-me bem fisicamente, porque apesar de não conseguir dormir de seguida, na verdade dormia horas suficientes.

Foi depois de uma conversa mais dura, no trabalho, que tomei a decisão de consultar um médico.

Pairou no ar que tinha sido efeito causa-consequência, mas só que não me conhece pode pensar que eu ousaria sequer pensar em tal coisa.

Foi a causa próxima, isso foi.

Expliquei à médica, que substituía o meu médico de familia, que estava a ficar intolerante com as pessoas, irritado com tudo mas, sobretudo, não estava feliz.

O que aconteceu depois fica entre as paredes do consultório.

Saí de lá com uma baixa médica, para doze dias e com recomendações bastante claras.

Voltei doze dias depois, já com o meu médico de família regressado das férias, e declarou mais um mês de baixa médica e com recomendações bastante claras.

Também saí de lá a saber o que estava a acontecer;

“Está dentro de si um caldeirão de ansiedade a querer saltar cá para fora, tudo junto com a falta de qualidade do sono está a provocar-lhe um stress que começa a materializar-se”.

Perante isto foi-me ordenado que treinasse - até há quem possa ver na coincidência uma qualquer intenção, como se estivesse a ver-se ao espelho - mas, o meu médico de família, que há um ano sofreu um enfarte, para além de ser um excelente médico, sabe que praticar desporto intensamente só ajuda.

Mental e fisicamente.

Foi mais uma coincidência, apenas.

Coincidiu com a minha preparação para a maratona, mas já antes ela se tinha iniciado, bem antes, pelo que agora cada treino faz parte das minhas tarefas diárias.

Dormir de seguida - ainda a custo, mas está quase lá -, tomar cinco refeições diárias, treinar, estar com os meus filhos, visitar a minha mãe, escrever, ver amigos, apanhar o sol na cara, e descansar.

É só um anti-depressivo e um ansiolítico, faz-se bem.

Têm sido assim os meus dias, no último quase mês e meio.

Estou a voltar a ser quem sou, lentamente, como lenta tem sido a preparação desta maratona, não me refiro apenas à de Berlim.

A vida.

Estes dias, estes meses, este ano e meio.

Mas, vou seguindo, lentamente, o caminho.

Eu sei que - ensinou-me a corrida - primeiro ganhas resistência, só depois ganhas velocidade.

Sei mais;

sei que a grande caminhada faz-se de pequenos passos.

E, ninguém gosta de ficar pelo caminho.

Nem eu !

 

(Se calhar são efeitos desta música )

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05


4 comentários

De Ana a 20.04.2018 às 10:00

Força.
Esse caminho está cheio de pedras.
Mas há-de valer a pena a caminhada.

De The Cat Runner a 20.04.2018 às 21:11

Qual é o caminho que não tem pedras, Ana?
Chama-se vida, esse caminho.
Por baixo das pedras há surpresas. :)
Bom fim de semana

De Anónimo a 20.04.2018 às 12:53

Gostei da lucidez , do texto , da percepção do estado de alma , que muitas vezes é de dificil de entender .
Um muito obrigada Zé , pelo relato na 1ª pessoa tão bem descrito .
Beijinho daqui com saudade.

De The Cat Runner a 20.04.2018 às 21:13

Olá, nem mesmo quando relato na terceira pessoa consigo de deixar de relatar na primeira pessoa. Só consigo escrever, de dentro para fora.
Agradeço-lhe as palavras motivadoras.
Pena tenho que apareça como "anónimo", assim podia agradecer em seu nome.
Bom fim de semana
:)

Comentar post



Uma cena sobre corrida em geral e running em particular e também sobre a vida que passa a correr. Aqui corre-se. Aqui só não se escreve a correr. Este não era um blog sobre gatos. A culpa é da Alice.

Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2018
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2017
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2016
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2015
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2014
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2013
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ