Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A BÍBLIA CAÍDA NO CHÃO

Terça-feira, 09.06.15

IMG_4033.JPG

 

Foto by the Cat

 

Ontem durante a minha corrida encontrei uma Bíblia no chão. Estava aberta. Parecia que estava aberta de propósito.

É a Bíblia que está na foto. Caída no chão. Em cima da calçada. Aberta.

Parei para registar o surpreendente momento. Penso que nunca mais irei encontrar uma Bíblia aberta caída no chão.

Baixei o estore do quarto. O quarto está à meia-luz, fresco. Está muito calor aí fora. Não consegui sequer descer à piscina. Sou mais do frio do que do calor. Ardo com facilidade. Congelo com dificuldade.

Passou uma semana desde que escrevi o meu último texto.

Recordo-me do dia. Dia 30 de Maio. Recordo-me porque foi o dia de anos do meu pai e o dia em que se reformou.

Passou uma semana atarefada, como conclusão de um mês atarefado. Uma semana e ele ainda não sabe quanto é a reforma. 

Uma semana passada sem linhas mas cheia de passadas corridas, todos os dias.

Não tenho escrito diariamente mas tenho corrido diariamente.

Agora, o Gato voltou.

Quanto mais vou mais quero ir, seja onde for.

É quase sempre por aqui que vou.

IMG_4034.JPG

 

foto by the Cat

 

Cada vez há mais pessoas aqui, neste caminho, nesta foto, onde faço a a minha liturgia. É a minha igreja. Aqui professo a minha religião. Aqui me encontro.

E gosto de ver as pessoas, as caras.

Gosto de olhar quem vem de frente e ver o esforço desenhado no rosto, sinal que há muito para correr.

Troco cumprimentos em andamento com os miúdos que vêm em sentido contrário, digo boa tarde a alguém que não via há anos, desvio-me, qual serpente, por entre quase famílias inteiras que ocupam a pista inteira.

Alerto os que correm na pista da direita:
- "Essa é para as bikes. Nem se dá por elas. É perigoso. Desculpem lá, mas...abraço".

Eu e esta minha mania de falar com toda a gente!

O tráfego aumenta de dia para dia na pista chamada Passeio Ribeirinho que liga a vila a Alhandra. Alhandra é vila, a Vila é cidade, mas é sempre a nossa vila. São 4 quilómetros para cada lado que se podem esticar para norte e para sul.

Sinto-me feliz por ver muitas pessoas a correr, apenas a caminhar e mais e mais, cada vez mais.

Não creio que a câmara municipal vá construir uma variante ao longo do rio.

O tráfego humano começa a sobrelotar a pista em alguns momentos do dia.

Os equipamentos para trabalhar braços e peito também começam a ficar cheios de gente.

Agora, aquilo que me faz imensa confusão não é uma mas várias coisas.

E, às vezes, faz-me confusão enquanto corro.

Não gosto de levar com o fumo de um cigarro pelas narinas e pelos pulmões dentro, como se de um shot se tratasse.

Não creio ser compatível fumar e caminhar ao mesmo tempo. E eu fumo, às vezes.

Não gosto de correr na minha pista e deparar-me com 2 casais, 3 filhos, 2 carrinhos de bebé a bloquear o caminho.

Não os interrompo. Olho para trás, para ver se vem alguma bike, e contorno.

Não gosto de ver um Pitbull, com trela longa, a fitar-me a uns duzentos metros.

Volto a olhar para trás, não vem nenhuma bike, desvio-me.

Não gosto de ver pessoas a passear os cães no passeio onde corro, como se o passeio fosse a red carpet canina.

É que a merda fica agarrada ao chão.

Olho para trás, não vem nenhuma bike, desvio-me, mas não gosto.

Quando chego lá ao outro lado, 4 quilómetros depois, vou pensativo.

As pessoas têm direito de fazerem o que e onde quiserem.

Eu corro para limpar a cabeça por dentro e a alma por fora.

Que sentido faz ir reparando nestes detalhes enquanto corro?

É quando encontro uma Bíblia aberta caída no chão.

Parece que foi de propósito.

Alongo ao longo do rio, até à foz dos músculos e do meu sorriso.

Recomeço. Falta o regresso, o voltar.

O sorriso vai comigo.

A Bíblia ficou aberta caída no chão.

Tirei-lhe o retrato mas não lhe toquei, nem a li.

Quero que ela fique ali, assim, aberta e caída no chão.

Talvez a encontre quando lá passar. Talvez esteja fechada. Talvez esteja rasgada.

Abro a passada.

Sinto-me viajar.

É que eu não sei ler algumas coisas da vida.

É por isso que no regresso não reparo no fumo do cigarro, nos cães que me fitam, nas pessoas que me bloqueiam, nas bikes silenciosas. 

No regresso nada disso se me afigura por muito que esteja pela frente. 

Há sempre um regresso em cada corrida, como na vida. 

Na vida cada fim tem sempre um começo.

Lembro-me dessa Bíblia aberta caída no chão, na volta do Gato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por The Cat Runner às 15:24


8 comentários

De O Homem Certo a 10.06.2015 às 19:26

Fiquei curioso com o que diria, ou melhor em que capitulo estaria aberta.

De The Cat Runner a 11.06.2015 às 22:50

Olá.
Vamos descobrir daqui a pouco no próximo post?
Voltei ao local do crime. Hoje.
O seu comentário, que vi agora, será o mote para o que me falta escrever do texto. Haverá uma conclusão. Obrigado. Volte sempre. Um abraço. O Gato.

De O Homem Certo a 11.06.2015 às 23:58

Volto, gostei muito do seu texto e como se expressa

De The Cat Runner a 12.06.2015 às 00:37

Bem vindo, então. Espero que goste do que acabei de publicar. Cumprimentos.

De Francisco Carita Mata a 10.06.2015 às 20:57

Narrativa muitíssimo interessante. Não corro, mas ando muito a pé, pelas ruas, ruelas, parques, jardins, avenidas e pistas das cidades que percorro. Deparo-me com algumas das situações descritas. A dos cães acho detestável. É demasiado frequente e é, infelizmente, comum em todas as cidades que conheço. Que país tão porco! Tanto lixo nos passeios!
Acho muito bonito falar, comunicar com as pessoas, sorrir... Nalgumas pistas as bicicletas são, de facto, um potencial perigo, é preciso irmos sempre atentos. Deveria haver uma maior separação entre as duas vias.
Quanto à Bíblia, eu teria lido. Não resistiria a saber em que Livro estaria aberta... Há sinais, mensagens que nos tocam e nos transmitem Algo que nos ultrapassa, que nos transcendem enquanto seres humanos...

De The Cat Runner a 11.06.2015 às 22:47

Olá, Francisco. Muito obrigado pelo comentário. Planeado não sería melhor; hoje voltei ao local e estou neste momento a escrever sobre esse reencontro. Parei apenas para respirar. Volte sempre. Cumprimentos.
O Gato.

De Anónimo a 10.12.2017 às 15:37

Antes de tudo, felicito-o pela naturalidade do seu modo de escrever, que me cativou sobremaneira.
Curioso !... em tempos quis iniciar um blog com o pseudónimo "ateu" . Nunca tive tempo ou engenho para lhe dar continuidade. Hoje, volvidos meia dúzia de anos, fui procurar se ainda existia esse hipotético blog ,,,e afinal, o que me apareceu foi até mais agradável por certo. Tive curiosidade e fico feliz por ter encontrado este "gato a correr", que me prendeu a atenção e li com muito agrado. Pelo que li, espero continuar a seguir as suas "maratonas" com muito agrado. Parabéns.

De The Cat Runner a 12.12.2017 às 03:13

Boa noite,
agradeço as suas palavras.
Este blog é 1 cantinho especial, infelizmente por preguiça escrevo nele poucas vezes.
Mas, palavras como as suas impelem-me a escrever com maior regularidade.
Ainda bem que gostou,
um abraço do gato que corre.

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930








comentários recentes

  • The Cat Runner

    Viver em ansiedade é mau. Retira-me a vontade. Hoj...

  • Ana

    Também soube desse desaparecimento e tenho andado ...

  • The Cat Runner

    O melhor foi nos dias seguintes, mas isso só logo...

  • Ana

    Boa. Fantástico.

  • The Cat Runner

    Se não saiu deve esra a sair :)

  • Ana

    Vá lá... Queremos saber.

  • The Cat Runner

    Boa noite,fico sem palavras depois de ler o seu c...

  • Anónimo

    O ano passado tive o prazer de participar na Corri...

  • The Cat Runner

    É assim, a vida. Obrigado, pelo seu comentário. Bo...

  • Alfredo Simões

    Às vezes a vida não é fácil e a apreciação dos nos...