Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



OS SINAIS DE ALICE

por The Cat, em 23.10.16

qxkQbEFulyima.jpg

 

 

Dia 22

22/10/2016

 

Sinais...

 

Alice tem um comportamento padrão, como qualquer gato e, como qualquer gato, muito desse comportamento vem da sua própria personalidade.

Deitei-me, salve seja, a adivinhar o que lhe passará pela cabeça.

Quando ela ronrona, quase em silêncio, sente-se pela respiração, é sinal que está feliz. Às vezes Alice ronrona.

Andei a ler umas coisas e, fiquei a saber que, quando os gatos, Alice já o faz, começam a passear colados às pernas estão, imagine, eu não imaginava, a libertar odores só perceptíveis aos outros gatos.

O meu dono é meu!

O recado vale para todos os gatos, os que não temos e os que passeiam pelas redondezas.

Às vezes sinto-me aflito, por momentos, como quando Alice se senta a olhar fixamente um qualquer ponto. O ar felino. É daí que deve vir. Alice nunca caçou, mas o instinto nasceu com ela.

Como qualquer gato, Alice dorme longos sonos. Passa quase dois terços do dia a dormir.

Sente-se segura, aproveita ao máximo. Na rua, não sei se alguma vez Alice dormiu descansada.

Alice, várias vezes, em determinados momentos, mete as orelhas para trás. Fica realmente assustada. E, assusta-me mais ainda, relativamente, porque ainda é pequena, quando fica com o pelo eriçado. Ela sabe que ganha uma dimensão física maior.

Há dias cortou as unhas e ficámos a pensar que as constantes mordidelas que nos dá, quando brincamos com ela, pudessem ser por causa disso, por não ter unhas.

Menos uma defesa, e a defesa é o melhor ataque.

Como a águia que passa cem anos na rocha, a raspar as unhas, que caem, que renascem, que lhe dão asas, de novo, e ela vôa.

Alice verá nos nossos pés, ou nos nossos dedos das mãos, uma presa, e ataca, com tudo o que tem direito. Por vezes avança rápido, chega ao pé do alvo, e dá meia-volta.

Alice, no fundo, passa a vida a enviar-nos sinais.

É que ninguém gosta de ser incomodado enquanto descansa e eu incomodo-a sempre que entro na cozinha. faço questão disso.

A atitude de Alice, normalmente, passa por se esconder debaixo de qualquer coisa, quando se sente ameaçada, ou porque um de nós voltou para trás, ou porque se levantou do sofá e fez mais barulho. Bendita a hora em que escolheu os bunkers da cozinha, porque li eu, se tiver medo a sério, se não tiver por onde fugir, ataca, mesmo. É raro.

Alice faz ataques, mas são ataques fofinhos.

Uma coisa também reparei, quando Alice vai para trás dos livros, numa das estantes, e a “mando” sair, com voz grossa, ou se teima em se esconder debaixo da cama, ela sabe quando é repreendida. Sai de onde está e, invariavelmente, vai para a sua cama cor de rosa, até que tudo “acalme” outra vez.

Alice acalmou – por curtos momentos – ao vigésimo segundo dia cá em casa.

Acalmou estranhamente.

A vacina deita por terra qualquer teoria. Ressentiu-se. Andou calma demais. Esteve mais parada, mas agora já está louca outra vez.

O que ela não sabe é que nós andamos a aprender sobre ela.

Qualquer dia ofereço-lhe umas luvas e fazemos um sparring os dois, só para ela descarregar a energia.

É que não há vacina que lhe valha.

Nem para ela, nem para nós.

Começa a ser difícil resistir-lhe.

E, ainda bem!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:31



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D