Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



ERA UMA VEZ NA AMÉRICA (CONTRASTES)

por The Cat, em 15.05.15

IMG_3315.JPG

 

Prometo ser rápido.

Ontem andei à vela.

Aquilo parece um avião em vez de um barco. Anda muito o sacana do Volvo 65. Quase voa.

Os tipos, lá dentro, são atletas de altíssima competição.

Dizia o Rafael Nadal, um dia, quando conversava com um destes velejadores, que eles são exactamente isso, atletas de alta competição e, espantado, dizia o seguinte, como é possível atletas como ele, como Ronaldo, como Messi, não tomarem banho, comerem comida hidratada e cozinhada em água a ferver, quase não dormirem durante uma série de dias seguidos. Nadal estava horrorizadamente espantado. Afinal ele tem nutricionista, psicólogo, treinador, etc.

Os velejadores da Volvo Ocean Race têm só o prazer, mais nada, no mar, porque em terra também são tratados como Nadal. Eles perdem muito peso, quando em competição. Gordura não há, por isso perdem massa magra - toda a gente sabe o que é, não é esparguete fininho -.

Ora bem, ontem eu e o Carlos Rodrigues fizémo-nos ao mar.

O incansável Rodrigo Moreira Rato, o media and yatch manager da VOR Lisbon meteu-nos no barco espanhol da Mapfre. E eu meti-o a trabalhar, que não há cá almoços grátis.

IMG_3316.JPG

 

O único português neste espectáculo brutal é Renato Conde, ele pertence à equipa de terra da Mapfre. Ele é só o maior especialista em mastros na crew da VOR.

Sobre mastros falaremos mais tarde, mas garanto que aquilo não é só o que se vê.

A regata foi porreira, pá.

Enchemos a cabeça de adrenalina durante três horas, andámos em primeiro a regata toda, mas a sacana da vela tinha que enrolar. Morremos na praia. Ficámos em último. Dizia o americano do Boston Herald que ia connosco que Iker Martinez, o nosso skiper, tinha feito uma regata ao estilo Cristiano Ronaldo. Enquanto todos foram por um lado ele arriscou e foi por outro e ficou tão à frente que dentro do barco se ouviu: be cool, we have got plenty of time.

 Voltando um pouco atrás, o Renato Conde é um dos maiores especialistas em mastros e em tudo o que diz respeito a vela.

O pai tem uns estaleiros navais e o irmão, Gil Conde, também é um nome importante mas, o Renato, aos meus olhos, tem sido injustiçado. Viva o futebol.

A sua humildade não lhe tem dado grande destaque, mas percebe-se que ainda vai dar muito que falar.

Costuma andar descalço, por opção.

Tal como a equipa sueca, que não andam descalças - as velejadoras - como o Renato, mas dão que falar.

O cor de rosa dá que falar.

São só mulheres na tripulação.

É a primeira equipa feminina nos últimos dez anos da Volvo.

E são todas muito giras, até mesmo as mais feias são giras.

Mas, o que gostei mesmo foi de ter pegado no pesado e grande troféu no fim da regata.

Simulei a minha própria vitória.

Posto isto:

- "Tu não és da televisão?"

O Fernando fez questão de colocar a sua dúvida em voz alta, em plena Race Village.

Ele reconheceu-me. E

Está aqui na América há sete anos. É de Sacavém. Trabalha nas limpezas.

Ganha mais do que eu e paga de renda de casa menos de metade do que eu pago em Portugal.

Aqui não há passos e os coelhos são animais estimados.

O Fernando é um tipo feliz.

Ele aponta para o braço, para a cor da pele, enquanto fala comigo.

- " A malta aqui é toda fixe, os portugueses são fixes. Só estranham quando eu digo que sou português".

Na lógica do Fernando os portugueses daqui acham que não há pretos em Portugal.

Ele é preto, eles - a maioria - são dos Açores.

Portugal - continental - é-lhes desconhecido, na lógica dele.

Ainda assim, o Fernando diz que é muito feliz, na América. Pudera, em Portugal não tinha trabalho.

O gajo da televisão sou eu, mas é ele que se safa à grande.

Contrastes!

Os meus companheiros de aventura ficaram surprendidos quando, pela manhã, antes de entrar no barco que nos levou a Fort Adams, me viram a dar um autógrafo.

Não era autógrafo coisa nenhuma.

Era um grupo de crianças, crianças como aquela que foi morta em Salvaterra de Magos, com a idade do meu filho mais velho, tal como a outra criança que foi espancada por outras crianças. Entre os dez e os quinze anos, por aí.

Elas estavam com o professor a fazer um trabalho de campo.

Tinham uma lista com várias tarefas, como por exemplo, tirar uma foto com um homem vestido de encarnado e recolher uma assinatura de um estrangeiro.

Assim, os meus companheiros foram enganados.

Não dei autógrafo nenhum, nem percebi o objectivo da lista de tarefas dos alunos. No fim tirámos uma foto e segui viagem.

IMG_3293.JPG

 

Ao longo do dia recolhi material para mais quatro programas "Jornal da Regata" que começam dia 18, todos os dias, na TVI24.

Almoçámos - meus amigos come-se tão bem em Portugal - e estivemos a espera de um autocarro ou táxi quase uma hora. Trocaram-nos as voltas.

Uma hora, o tempo que tinhamos para tomar banho, mudar de roupa, meter um perfumezinho e ir jantar com um dos "donos" da equipa Abu Dhabi e a mulher, uma sueca que fala melhor português do que eu.

Jantámos no restaurante que tem a licença de venda de bebidas alcoólicas mais antiga dos EUA, o bar/restaurante mais antigo de todos, portanto.

IMG_3314.JPG

 

Aqui sim, o filet mignon dava para chorar por mais. A água, desculpem, só de garrafa. Eles têm o hábito de beber água da torneira - eu não bebo - com gelo. Mas valeu pela companhia e por ter estado no restaurante mais antigo da América.

Quando cai na cama apaguei-me.

Hoje, acordei ás seis da manhã, tal como ontem.

Aí eram 11 da manhã.

Decidi escrever a crónica já porque daqui nada vamos trabalhar e à noite temos um jantar de gala e uma festa e depois não dá para tudo.

Só que já são oito e meia.

O Rodrigo já enviou um email a dizer que já foi para baixo.

Nós combinámos sair do hotel ás dez.

Está na hora de ir correr.

Hoje vou com o Zé Pedro ou vai ele comigo.

Vou ligar, não vá ele ter adormecido.

Até porque estou a ouvir uma cama a ranger, suspiros profundos, no quarto aqui ao lado.

E, pasme-se, deve estar a correr tão bem que já estão na segunda volta.

Está a ser bom, a julgar pelos gemidos.

É um quarto para as nove da manhã.

Isto aqui é a América e, nunca se sabe. É melhor ir correr.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01


2 comentários

Sem imagem de perfil

De ruicarlos8 a 15.05.2015 às 21:27

Para mais tarde recordar e chorar de rir!
Imagem de perfil

De The Cat a 15.05.2015 às 21:52

Claro. Ter um acordar assim é inesquecível :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D