Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



DE LAMPEDUSA A AUSCHWITZ

por The Cat, em 20.04.15

BLOG ANNE FRANK.png

 

Hoje é um daqueles dias em que era fácil escrever um texto no blog.

Hoje todos os olhos e corações estão no Mediterrâneo. Hoje todos sabemos que há um sítio, não muito longe, que se chama Lampedusa. Mas, hoje, eu não vou escrever sobre o drama que tentámos não ver, até hoje.

As redes sociais estão cheias de considerações moralistas e acusatórias, cheias de fotos chocantes. O ecrã do computador parece exalar cheiro. O cheiro da morte.

Por isso prefiro de partir da morte para chegar até à vida.

Descobri uma vida que me surpreendeu. A vida de Sylvia Weiner.

Descobri-a por causa da maratona de Boston.

Ela foi a primeira mulher na história a ganhar a divisão Masters na maratona de Boston, isto não era de relevo, não tivesse Sylvia 84 anos. Mas, nem mesmo facto de ter 84 anos e correr a maratona – eu não consigo e tenho metade da idade dela – retira aquilo que aqui me trás: a vida e a morte.

Sylvia Weiner diz que correr lhe salvou a vida.

Em 1942, Sylvia tinha apenas doze anos. Nesse ano de dor e morte ela foi separada dos sete irmãos e dos pais. Eles foram metidos como gado dentro de carruagens carregadas de gente rumo a Treblinka. Ela nunca mais os viu.

Treblinka é um lugar que cheira a morte.

Sylvia conhece o cheiro da morte. É o mesmo cheiro em Majdanek, Auschwitz e Bergen-Belsen. Ela viveu lá a fase mais bonita da vida, quando crescemos, na fase mais horrenda da humanidade.

“Quando chegámos a Auschwitz conseguíamos sentir o cheiro da carne humana queimada, no ar”.

Por razões que ainda hoje desconhece, Sylvia Weiner foi poupada pelos loucos que eram comandados por um louco profundo.

Foi-lhe poupada a vida, mas só isso.

Jamais alguém esquecerá que andou sobre corpos de centenas de mortos à procura de roupas que pudessem ser aproveitadas.

Sylvia esteve em vários campos de concentração, onde morreram milhões de pessoas às mãos do regime nazi, nojento, abjecto, insano.

Foi em Bergen-Belsen que conheceu  uma jovem holandesa que lutava a dobrar pela vida. Anne estava muito doente. Tinha febre tifóide. Elas dormiam no chão sem colchão nem cobertor. Havia piolhos e ratos por todo o lado.

Sopa – uma àgua suja a fingir sopa – era o único alimento, como se o horrível alimentasse mais do que almas cruéis.

Estavam juntas quando Anne morreu.

Estavam ambas cercadas pela morte. Viver era quase impossível.

Só dez anos depois, já em Montreal, é que Sylvia Weiner ouviu falar de um diário de uma rapariga.

O Diário de Anne Frank.

“Meu deus, esta é a Anne”.

Foi apenas nesse momento que percebeu que aquela tinha sido a sua melhor amiga no campo da morte.

Syilvia divide-se e à sua vida entre Montreal e Miami.

Foi no Canadá que casou e foi lá que teve os três filhos. Foi lá, que sem nunca conseguir, tentou levar aquilo a que chamamos uma vida normal. As memórias e o cheiro da morte nunca a deixaram. Costumava ter pesadelos e depressões frequentes.

Esta mulher, uma lutadora da vida, com 84 anos, passou os últimos 50 a correr. Raramente ela perdeu um dia de corrida. Há 50 anos que acorda bem cedo. Os amigos esperam-na à porta e juntos correm entre seis a oito quilómetros todos os dias.

“Nós vamos devagar e conversamos sobre tudo, menos política”.

Há 40 anos, em 1975, quando a maratona de Boston reconheceu pela primeira vez homens e mulheres vencedores na classe Masters, foi Sylvia Weiner, de origem polaca, quem conquistou o título. Correu três horas, 21 minutos e 38 segundos. Tinha 44 anos.

Foi esta vida recheada de corridas que lhe fez renascer o espírito e lhe lavou a alma, ao ponto de parar de tomar a medicação que lhe evitava os pesadelos e a ajudava a dormir.

“Eu quase tinha vergonha porque eu corria muito, de mais. Eu tinha uma vontade tão forte de sobreviver, naquela época eu precisava de correr muito. Era a única mulher a correr em Montreal e a maioria das pessoas dizia que eu era louca”.

Nas décadas que se seguiram, Sylvia continuou a correr maratonas.

Parou de correr como corria quando fez 75 anos.

Agora, aos 84, faz uma ou duas maratonas por ano, mas é o seu passeio diário que mais lhe importa.

“Correr salvou a minha vida. Primeiro Deus, através do milagre da minha sobrevivência no campo de concentração. E, em seguida, a corrida.  Sem correr, a minha vida tinha-se desmoronado como um castelo de cartas”.

Hoje é um daqueles dias em que era fácil escrever um texto no blog.

Hoje todos os olhos e corações estão no Mediterrâneo. Hoje todos sabemos que há um sítio, não muito longe, que se chama Lampedusa. Mas, hoje, eu não quis escrever sobre o drama que tentámos não ver, até hoje.

Tinha sido a opção mais fácil.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2015 às 16:58

Acho que a Sylvia corre atrás da vida.
Parece que Lampedusa também é uma maratona...
Obrigada pelo excelente texto.
Imagem de perfil

De The Cat a 21.04.2015 às 17:17

Olá. Infelizmente assim é. Obrigado pelo comentário, "desconhecido"!
O Gato
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2015 às 18:06

Desculpa !!
Estou habituada a comentar com a minha assinatura do blogger.
Olinda Silva
Imagem de perfil

De The Cat a 21.04.2015 às 19:39

Qual é para eu espreitar?
:))
Sem imagem de perfil

De Manuela Grilo a 23.06.2015 às 20:05

Só agora descobri o seu blog e obrigada por este post em especial. É, para além de uma história de vida, mais um testemunho vivo de um pedaço negro da História contemporânea da Humanidade, que invariavelmente e com ou sem contornos semelhantes, a mesma Humanidade infelizmente, vai teimando em repetir.
Imagem de perfil

De The Cat a 23.06.2015 às 23:17

Olá, Manuela.
Seja bem-vinda.
Agradeço as suas palavras.
Sem pretenciosismo da minha parte, juro que não, apenas gosto de escrever livremente, sem os constrangimentos que a escrita profissional me obriga. E gosto de contar histórias. Se forem bonitas, são quase sempre, tanto melhor.
Todos nós temos muito a aprender com exemplos como este e outros. Queiramos e estejamos nós disponíveis para isso. Eu estou. A isso, eu acho, chama-se viver.
Obrigado e volte.
O Gato

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D