Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ALL WE NEED IS LOVE... AND RUN

por The Cat, em 06.05.15

IMG_3717.JPG

 

(Foto by the Cat) 

 

Hoje dei uma tareia a mim próprio. Uma auto-tareia, portanto.

Escrevi tanto, mas tanto, que aproveitei a embalagem e comecei a escrever este post.

Já tinha pensado escrever sobre o que vou escrever, há dias.

Tem a ver com sustos de morte, no caso, enquanto se corre.

Já lá vamos.

Eu acho que ninguém acredita se eu disser que hoje escrevi 8 - oito - reportagens de televisão, cada uma com a duração média até dois minutos.

É uma empreitada.

Eu sou uma espécie de empreiteiro da televisão.

Construo conteúdos, faço reparações e até corro. Tenho tempo para tudo.

Esta manhã não falhou.

Agora que aprendi a gozar os ares matinais o dia corre bem melhor, parece que dura muito mais.

Oito peças escritas é um exagero, no entanto.

Mas é assim que é.

Nesta empreitada corro contra o tempo, por isso aproveito-o, optimizando-o, levantando-me cedo, correndo os meus quilómetros. Consigo fazer tudo.

O dia sabe bem melhor.

Comprometi-me comigo, segundo o calendário, a ter escritas e prontas a editar, até final da semana, 14 peças, 14 textos, 14 reportagens, para se perceber. Afinal são 15.

Na segunda feira passei o dia a visionar discos. Sim, agora não se ouvem, visionam-se. Estou a brincar.

Passou-me um disco mas, como fui eu quem fez as entrevistas, não precisei de saber as deixas e os tempos para escrever o texto correspondente a esse conteúdo. Está escrito.

Na segunda visionei o material, esta terça fiquei em casa.

Adoro a minha casa nestes dias de sol tímido. O som dos pássaros, do meu pássaro que ficou viúvo há meses, o horizonte da planície, o jardim lá em baixo.

Dias de sol tímido.

Passo noventa porcento da minha vida profissional cercado de pessoas e barulho por todo o lado, solicitações e exigências, compromissos e tarefas.

Os outros dez porcento passo-os aqui, onde escrevo, onde o sol parece tímido e as cores ganham cor.

Escrever oito reportagens, tanto podem ser escritas aqui, em casa, no sofá, como foram, ou numa esplanada, numa biblioteca, ou na redacção, em um dia é coisa de loucos.

Não se pode ter tudo.

Tive o sol tímido e as cores do campo mas, para poder ter estou com pré-calos nas pontas dos dedos, de tanto teclar.

As teclas ficaram côncavas. É assim que as sinto.

Na verdade, trabalhei praticamente as mesmas horas que trabalho quando estou na redacção, mas dividi-as. Renderam muito mais e os textos estão prontos.

Apetecia-me ir correr. Fui de manhã. Estou a brincar. Outra vez. Já é tarde.

Ainda não é hora de cantar vitória.

Esta terça preciso de escrever mais sete textos.

Repito o dia, só não vou à acupunctura nem às compras para a casa.

Quero ter as 15 reportagens escritas até quinta feira, porque na quinta feira tenho um directo marcado: apresentação da Volvo Ocean Race 2015.

Eu gosto de funcionar assim, tudo arrumadinho, no meu caos.

Primeiro recolhi material, agora escrevo, quinta feira passo à próxima fase.

Concluo esta fase e avanço.

Sou pragmático e metodicamente desorganizado.

Começo nessa altura a pensar na viagem a Newport, Estados Unidos, na próxima semana.

Planificar, apesar de não haver agenda mas, planificar precisa-se e, para isso, há etapas que têm que ser queimadas. Só assim avanço para a próxima.

Quer isto dizer que tenho alguma flexibilidade na gestão do meu tempo, durante estes dias.

Será fácil perceber que, apesar de eu ter a doença do sono, tenha decidido começar a correr pela manhã e com companhia.

Deixamos os miúdos no liceu, corremos juntos, tomamos o pequeno almoço na esplanada e ainda temos um dia inteiro. Inteirinho.

Este cenário parece perfeito. Temporariamente perfeito.

Só que isto esteve por um fio para não acontecer.

Eu conto:

Há dias apanhei um dos maiores sustos da minha vida.

Trauma.

Decidi não correr mais com a Carla, a minha nova companhia na corrida. Por causa desse susto.

Não há melhor momento que aquela hora que passamos juntos, vive-se muito, mas obriguei-me a tomar essa decisão, que não cumpri.

Não consigo cumprir, gosto de mais dela e de correr com ela para cumprir com a minha decisão.

Prometi-lhe nunca mais a assustar.

Ela cedeu e continuamos a correr juntos.

IMG_3718.JPG

 

(Foto by the Cat)

 

Tudo aconteceu no sábado.

Só visto, porque contado é difícil acreditar.

Corro quase todos os dias, só que aos sábados há alguma coisa de magico nas manhãs de corrida junto ao rio, no meu santuário.

No passeio ribeirinho cruzo-me com gente que não via há anos, há bons dias transpirados e sorridentes. Há muita gente, aos sábados, no passeio ribeirinho. E como eu gosto de gente.

Costumo apreciar tudo, a música, os miúdos da canoagem e da vela, os mais velhos, que ainda há uns meses caminhavam vestidos normalmente e que agora até já usam ténis de corrida, o que eu sorrio quando passo por eles.

Eles marcam o seu próprio ritmo e eu adoro correr com a minha nova companheira de corrida.

Os nosso ritmos são diferentes.

Nunca fazemos a corrida totalmente lado a lado porque chega um momento em que preciso de acentuar o ritmo e ela ainda não acompanha, o que é normal.

Começamos juntos, quando decido ir sózinho vou, depois volto para trás, continuamos juntos e assim vamos de um lado ao outro. Tem sido assim nestas manhãs e nestes sábados. Estou a aprender a gostar e gosto mais e mais.

A meio do caminho fiz sinal que ia acelerar e fui-me embora. Já tinhamos passado pela Catarina. A Catarina vem todos os dias em sentido contrário e sem parar damos um toque um no outro, com a palma das mãos.

É já um ritual.

Enquanto a Carla, a minha nova companhia na corrida fazia o seu caminho eu fui até ao fim da vila e quando voltei, de novo a meio caminho, via-a ao longe.

Nós temos o hábito de ouvir música enquanto corremos, por isso não ouvimos o que nos rodeia. Ali é seguro. Damo-nos a esse luxo. Algum cuidado com as bicicletas que rola na nossa pista, com a delas ali ao lado, às vezes ocupadas por pessoas que correr, mas é pacífico. Tranquilo.

Quem corre sabe que a concentração é absolutamente decisiva.

Quem corre sabe que estamos sós, connosco, isolados do que nos rodeia, embora observadores, mas sós.

Onde é que eu fui buscar o raio da ideia de acelerar até chegar perto dela e dar um salto apoiado nas suas costas?

Eu corro, devia saber que isso não se faz.

Só que nunca imaginei o que aconteceu a seguir.

Parámos a corrida, sentámo-nos junto à margem.

Ela chorava.

Fiquei sem reacção, ela não é de chorar.

Sem reacção e sem palavras.

E, mesmo assim, não medi a dimensão do acto.

Certifiquei-me que estava (aparentemente) bem, melhor, a recompor-se e continuei a correr.

Ainda queria fazer mais uns quilómetros depois do ponto de chegada.

Ela chegaria enquanto eu alongava.

Imaginei que fosse apenas um susto.

Algum tempo depois voltámos a estar juntos, mesmo no final, já junto ao carro.

Ela continuava a chorar. Ela que não é de chorar.

Provoquei-lhe o maior susto da sua vida e, a mim próprio.

Foi só aí que me dei conta. Mais do que o susto foi toda a reacção física e psicológica que provoquei.

Um choque.

É imaginar estar no paraíso e de repente tudo tremer à volta.

Uma simples brincadeira que quase a matou de susto, literalmente.

E, nem me apercebi.

Confidenciou-me depois que quase não conseguiu fazer os dois quilómetros que faltavam.

Decidi não voltar a correr com ela.

Pensava ser a única forma de me perdoar. Eu, a mim.

Uma simples brincadeira que podia ter sido algo que me iria marcar para sempre.

A minha decisão durou um dia.

Na corrida seguinte ela foi sózinha.

Contou-me que, enquanto corria, olhou várias vezes para trás, como que por impulso.

A coisa foi mesmo séria.

A única forma de me perdoar era voltar a correr com ela. Não o contrário.

Deixámos os miúdos no liceu, parámos o carro no centro da cidade, a uns duzentos metros do rio e da nossa pista, e fomos juntos, como sempre, até ao momento em que me apeteceu acelerar e voltar e acelerar e voltar para junto dela.

Ela não olhou uma única vez para trás. Tenho a certeza.

Depois, fomos tomar o pequeno almoço, que o dia ainda estava a começar e o amor não se compadece com sustos de morte.

Com a corrida, talvez!

Com a corrida, sim.

Nunca tinha amado tanto, enquanto corria.

Hoje amei correr.

Amanhã vou repetir o amor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D