Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ALICE MIA

por The Cat, em 08.11.16

 

IMG1980EasyResizecom.jpg

 

 

 

Dia 37

07/11/2016

 

Sobre chegadas e partidas…

 

Adoro chegar.

Adoro chegar a casa.

Adoro chegar e sentir aquele cheiro, aquele morno, aquela penumbra, aquele silêncio.

Adoro chegar, muito mais que partir.

Por vezes, ao chegar, há luzes acesas, janelas abertas, portas encostadas, por engano, um de nós, que nós enganamo-nos, por vezes.

Faz parte da condição humana.

Esta segunda feira cheguei a casa, senti aquele cheiro, aquele morno, aquela penunbra, aquele silêncio, mas achei estranho, porque adoro chegar a casa. Por isso mesmo.

A luz da casa de banho grande estava acesa. As restantes luzes da casa estavam apagadas. A porta da cozinha estava fechada. Em teoria, ninguém estaría em casa, aquela hora, tirando Alice, a guardiã das chaves do castelo.

Está cá alguém?”, perguntei eu, com voz forte, de homem, grossa, não por nada, mas porque a casa é grande e por vezes não nos conseguimos escutar.

Esperava silêncio.

“Estou aqui, papá, estou a tomar banho.”.

“E, a Alice?”.

“Está na cozinha…”.

Abri a porta, entrei, Alice estava a dormir.

Era início de noite, por isso, supostamente, com Maria em casa, Alice devia andar como sempre, com ar de louca doce, casa fora.

Lembrei-me que, depois de eu partir alguém chegou.

A Cristina ajuda-nos à terça e quinta feiras e, não nos ajuda só com a casa, com a roupa, ou que o que quer que seja, também é agora uma grande ajuda com Alice, porque lhe faz companhia.

A leitura é simples, Alice passou o dia a correr, entre a tábua de passar a ferro, a mesa da sala, ou por uma qualquer outra divisão da casa. Fazia sentido estar a dormir aquela hora, estava cansada, o pior estava para vir; a noite.

A noite caiu e, como esperava, Alice estava cheia de energia.

Alice não gosta de partidas, gosta, como eu, de chegadas.

Eu sei-o.

Alice passou a noite a explorar as cadeiras da sala, a lareira, que vai arder, um destes dias,  nas costas do sofá, dos sofás, nas nossas pernas, mãos e braços, sim, eu acho que ela nos explora.

Mas, sei-o, Alice é como eu, não gosta de partidas, só de chegadas.

Não é difícil ter percebido isso.

Sempre que a deixamos na cozinha, ou ontem, quando fechei a porta da sala, por causa da corrente de ar, e ela queria ir à cozinha, Alice mia.

Alice já mia para nos dizer que está com saudades nossas.

Alice já mia para se anunciar.

Alice já mia, porque os gatos miam.

Alice já sabe miar.

Alice gosta mais de chegadas do que de partidas.

Alice mia quando alguém parte.

Alice é como eu.

Detesto partidas!

Adoro as chegadas!

Como hoje, quando cheguei a casa, e senti aquele cheiro, aquele morno, aquela penumbra, aquele silêncio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D