Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



ALICE CONVENCEU-ME

por The Cat, em 24.10.16

ALICESEGUNDA_Easy-Resize.com.jpg

 

 

Dia 23

23/10/2016

 

Coisas de afectos…

 

Pela primeira vez percebi aquela história de o(a) gato(a) ser uma companhia.

E, percebi-o, a ponto de sentir saudades dessa companhia.

Foi a segunda vez que aconteceu, Alice ir para a sala, para junto de nós. Na véspera adormeceu ao colo da dona mais velha, entre a capa do iPad e o próprio iPad.

Era de elementar pertinência Alice ir ter connosco à sala, no dia/noite seguintes.

 Assim fez, Alice já compreendeu que se a porta da cozinha está aberta é para que ela por lá possa passar.

Sacana da gata, inteligente gata, que sai da cozinha, visita os quartos, cumprimenta os miúdos, certifica-se que não há adultos no quarto grande e volta à sua vida, ora regressa à cozinha para dar uma corrida curta e louca, ora vira à direita, para a sala.

O ritual é único.

Vem até à porta, baixa-se, coloca-se em posição de ataque, caminhando, como que a mostrar-se corajosa. Chega à porta da sala, encosta-se, vai indo até ao sofá. Só depois coloca a cabeça de lado e espreita.

Daí a uns segundos está a saltar para cima do sofá, atacando ferozmente as minhas mãos., como que vinda do nada.

Pela primeira vez, depois desses ferozes e doces ataques, Alice ficou.

Eu já estava sozinho, nessa altura, toda a gente tinha ido dormir. Em teoria, Alice ia ali, mordia-me as mãos, corria e depois das boas-noites ia à sua vida.

Mas, enganei-me, e esse engano mexeu comigo.

Alice, em cima do sofá, junto às minhas pernas, parada, sentada, descontraída, a ver televisão.

Senti-me, pela primeira vez, com uma companhia nova, a qual já não dispenso, a qual me provoca saudades e ternura. Jamais ficarei sózinho, tenho a certeza.

Não pense que isto durou muito tempo. Durou uns cinco minutos, esta pausa. A seguir, Alice voltou, literalmente, a andar à roda, a tentar apanhar a cauda – e já consegue -, ou a saltar para o meu peito para me vincar os dentes que mais parecem agulhas de acupunctura.

Houve aqui qualquer coisa. Eu e Alice. Sentiu-se aquele momento, ternura, silêncio, toque.

O mais curioso é que, quando cheguei a casa, à noite, depois de vir da televisão, enquanto esperava que o portão do condomínio se abrisse, dei de caras com algo anormal.

Uma gata. Preta. Grande. Adulta. Uma mancha amarela na pata. Uma mancha amarela na cabeça e junto aos olhos. Uma mancha amarela na cauda.

Estava encostada ao portão, do lado de fora, como que à espera que alguém aparecesse, para que entrasse dentro do condomínio.

Eu já vou habituado aos repentes dos gatos.

Parei o carro, enquanto o portão abria. O barulho do portão afastou-a.

Na minha cabeça um rasgo, lá dentro.

Esta gata é…

Não, não é, convenci-me.

Ainda agora, que escrevo, ainda agora sinto que aquela gata poderia ser a mãe de Alice.

estaría à procura dela.

Que raio, uma mãe não abandona uma filha.

Que raio, os gatos não são humanos, se calhar abandonam, se calhar sentem remorsos, apenas saudades que apertam o coração. Se calhar...

Se calhar nem era a mãe de Alice, embora os sinais...

Eu não sei o que é separar um filho de uma mãe.

Mas, prometo, em nome de Alice, escrever sobre isso.

Aqueles cinco minutos mágicos, com ela sentada junto a mim, só os dois, foram tão inundados de ternura, tão só nossos, que tenho a certeza, fosse ou não, aquela gata, mãe de Alice, Alice quis dizer que precisava de um abraço.

Ou apenas de cinco minutos mais felizes, no sofá da sala.

Depois, encaminhou-se para a sua cama e foi descansar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39


2 comentários

Imagem de perfil

De marta-omeucanto a 25.10.2016 às 12:18

Há uma gata lá na nossa rua, abandonada, que volta e meia tinha gatinhos. O meu senhorio, achando-se no direito, uma vez que lhe dava guarida à noite num barracão e era lá que ela tinha tinha os bebés, e não querendo assumir uma responsabilidade que não era dele, matava-os. Nessa altura, a gata miava desesperada à porta de casa dele, à procura dos seus filhotes. Andou deprimida, emagreceu muito. Até que ele resolveu comprar a pílula e dar-lhe. Agora já está muito melhor. Na altura, pensei que não sobrevivesse...
Sem imagem de perfil

De Marta Rebelo a 25.10.2016 às 20:51

Quando a Alice deixar de ser bebé, lá para o seu ano, ano e meio, esses cinco minutos vão tornar-se horas.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D