Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A (MINHA) BATALHA DE MARATONA

por The Cat, em 11.11.15

 

IMG_5840.jpg

 

 

 Para quem não sabe, em 490 a. a. na Primeira Guerra Médica das Guerras Medo-Persas que ocorreram na Grécia, em Ática, no lugar de Maratona, desembarcaram os Persas.

Em Atenas perante o ataque iminente dos Persas, o pânico instala-se. O conselho decide pedir auxílio aos Espartanos. Este viria a ser um dos mais importantes acontecimentos da História da Grécia Antiga, que viriam a determinar a História de toda a Europa, a Batalha de Maratona.

E o que tem isso a ver com o passado dia 08? Absolutamente tudo.

IMG_5679.JPG

 

Também eu, enfrentei uma dura e árdua batalha nesse dia.

E antes desse todos os que durante 20 semanas, qual ateniense, me preparei para a “batalha”. A minha batalha de maratona.

Foi uma preparação intensa onde privação e persistência foram duas das grandes chaves para o resultado final.

Quando o Filipe me convidou para a fazer (ele, que iria fazer a sua quarta e é ultramaratonista..), pensei que o mundo estaria de pernas para o ar! Mas a vontade de aceitar o desafio e conseguir foi enorme. Até o Zé Gabriel Quaresma me dizia que estava mais perto de fazer uma e eu… bem, eu, aceitei.

Qual noite, chuva ou frio. Isso não era importante. O importante era cumprir. Conseguir. Terminar.

Muitos achavam que estava doenteDoente com a corrida. Já me deviam conhecer, e saber que quanto mais me dizem essas coisas mais motivado eu fico.

Lá porque não correm não quer dizer que eu não o possa fazer, fazer aquilo que amo e eu amo correr. 

Que posso dizer sobre o dia 08 que não tenham já deduzido? Foi extasiante.

Acordei ansioso. Sabia o que tinha para travar. Conseguimos um lugar pertinho da meta, onde eu e o Filipe nos reunimos com os meus Turbulentos. 

Bem tentei distrair-me sobre como iria ser a prova, mas aquela ansiedade não passava.

IMG_5792.JPG

 

Fui com o Filipe e o Paulo e depressa nos juntamos a todos os milhares de pessoas que se encontram para a partida. Eu estava nervosíssimo e não conseguia estar quietoSaltavaBatia palmas.. E cada segundo era uma eternidade.

Quando comecei a ouvir a música da partida, o coração disparou. E ainda tinha a minha batalha toda pela frente. Ouvi o Filipe a dizer "Vai correr bem". Ele sabia. Limpei os olhos, respirei fundo e o tiro foi dado.

Era agora!

Avistei o balão das 3:30h, era a ele que tinha de seguir.

Rapidamente aproximamo-nos do pacemaker. Senti que o nervosismo tinha ido com o tiro e estava com a adrenalina ao máximo.

Tinha o Paulo a avisar que íamos muito rápido. Tirando o km1 em que rolamos a 5'35", os seguintes iam ser bem abaixo disso e sempre abaixo de 5'00".

Ao km 8 o Filipe ficou com o Paulo que ia a um ritmo mais lento, mas aconselhou-lhe para ao km 12 passar o pacemaker das 3:30 e ficasse entre as 3:15 e as 3:30". 

Comecei a seguir à frente dos dois e meti o primeiro gel. Ao km 11 sensivelmente passei pela Marta (@martarochaf), a quem sorri e disse "vaaaaamos". Cumpri o que me tinham aconselhado e a partir do km 13 dei por mim a rolar sozinho sem nenhum dos dois a meu lado.

E agora??? Estou na minha primeira maratona e estou sozinho!!!!

IMG_5751.jpg

IMG_5697.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cabeça fria. Manter o ritmo para chegar aos km 21 entre a 1:40h e a 1:45, e só ia no km 13.

Depressa chegou o km 16. O Alex, um caloiro nestas coisas, (como eu) da Corunha, fez-me companhia durante uns 2 kms.

Ao km 21 , peguei numas uvas-passas e em 1/4 de laranja lá segui o meu caminho, passando pela ribeira e entrando na ponte D Luís. Ia concentrado e a procura do meu amigo Mário Coutinho.

Acho que devo ter passado cedo demais, e que bem me sentia!

Nunca tinha passado os 21 km ou terminado uma meia maratona como me sentia naquele momento: fresquinho! Se a outra metade for igual consigo fazer uma prova abaixo das 3:30, pensava. Sentia-me maravilhosamente bem.

Passei pelos turbulentos Antunes e Carlos quando fiz o retorno. Também eles estavam a fazer uma grande prova. Encontrei-me com vários dos meus turbulentos e as palavras que recebi ecoavam na força que precisava. Segui lá fui eu em direcção ao Freixo. 

Vejo a Isabel Silva e só lhe gritei "Força Belinhaaaaa". Grande prova! E sempre a sorrir.

E eu sozinho, na minha primeira maratona, qual batalha! 

No km 34 comecei a sentir uma quebra física.

Tinha um gel, duas gomas e uma barra energética.

Vejo o meu colega Rui Baptista a passo e coloquei-me a seu lado. Disse que era o joelho. Ora, não se deixam os nossos no campo de guerra: Vamos anda, vamos devagarinho, eu vou contigo” e caminhamos os dois. Dividimos o gel e as gomas que havia e retomámos a corrida, em ritmo mais tranquilo

Passei de 4'57" para 6'17".

O km 35 e 36 foram de pára arranca. O km 38 fizemos juntos e ao entrar no km 39 disse-lhe para ir que ia um pouco mais a passo.

“Anda está quase, anda", disse-lhe para seguir, precisava de água, porque garra ainda tinha.

Só quem faz uma batalha destas entende o espirito que existe.

Uma miúda que ia ao meu lado disse-me: “Vamos Ricardo está quase…” e ofereceu-me água e eu aceitei. Nem sei quem era.

No km 40 já me esperavam sentados no passeio Rito, o André, o Nuno e o Bruno que rapidamente vieram para o meu lado. Segui escoltado e apanhamos o Rui.

Sabia que tinha que conseguir. Que ia conseguir. Mas não sozinho.

Olhei para o céu e pedi ao meu Pai e ao Vargas “quero voar, emprestem-me as vossas asas".

E não é que me ouviram?

Entro na rotunda da Anémona e começo a voar, ao fim de 42 km entro na subida que dava acesso ao Parque da Cidade, na direcção da meta (a minha meta!) a fazer um sprint como que de uma prova de 100m se tratasseTinham-me dado asas para voar e voei! Como voei!

IMG_5754.JPG

 

Já trazia a bandeira, o meu Pai, que o Rito me tinha entregue.

Com ele (sempre com ele) entrei na reta da meta num ritmo mais calmo e cortei a meta, e chorei, eagradeci, e ajoelhei-me, e voltei a chorar. Sonho cumprido. Venci. Já estava.

Tinha o Alex (lembram-se dele? O espanhol?) à minha espera para agradecer a água e dar-me um abraço. Também o Rito, o Nuno, o André e o Rui (que tinha cortado a meta).

O resto… bem o resto foi recordar. E descansar. E sorrir. Sorrir muito. Esta é minha.

IMG_5707.JPG

IMG_5695.JPG

 

 

Tenho que agradecer a todos os que me apoiaram neste caminho, porque foram muitos aqueles que me apoiaram durante 20 semanas.

Não posso contudo deixar de dar uma palavra especial a duas pessoas:

Ao Filipe Meira pelo desafio lançado e pela forma como me fez acreditar que seria capaz de o cumprir.

E outra palavra ao Zé Gabriel Quaresma meu bom amigo, pelo exemplo que é para mim, por tudo o que tem sido e tem feito.

Portanto Zé, esta maratona para além de ter sido dedicada ao meu pai (a pessoa que mais desejei abraçar e ver sorrir no final, mas que sei que onde quer que esteja estará orgulhoso de mim), ao Vargas (era assim que era tratado por si e por todos os amigos), esta maratona é muito sua por tudo o quanto me inspirou e continua a inspirar.

Um beijo enorme para a Gi Morais pelo apoio constante.

Uma palavra para a Mariana (@missfit.instapor aquele apoio que foi tónico para aquele final arrepiante.

E agradecer também a todos os Turbulentos, a minha equipa que me receberam de braços abertos. Fomos um.

Uma palavra para o Ricardo Martins Pereira(@oarrumadinho) pelas dicas que me foi dando e para o Filipe Mendonça

Terminei com 3:34:05. Isso será inesquecível. 

12212533_449362348576618_946765189_n.jpg

 Fiz uma prova como tinha programado, foi uma prova emotiva com convívio, camaradagem e certamente não foi a última.

Voltando ao que estava a dizer, os Gregos derrotaram os Persas.

Reza a história que 6 mil e 400 persas foram massacrados, enquanto apenas 192 homens caíram do lado ateniense. Mais importante do que isso , Filípides terá morrido a anunciar a vitória dos Atenienses em Maratona, depois de ter percorrido os 42,95 km que separam aquele demo da Ática da capital.

E eu percorri os meus.

Venha a próxima!

 

Ricardo Silva

Bragarunner

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:54



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D